domingo, 19 de novembro de 2017

CYN.STRESS em ELVAS

CYN.STRESS: Estabelecimento de um ensaio para avaliar a influência do stresse hídrico nos perfis bioquímicos das cardosinas em cardo (Cynara cardunculus L.)



Paulo Barracosa1,2, Isabel Cardoso1, António Pinto1,2, Francisco Marques1,2, Pedro Rodrigues1,2
1Escola Superior Agrária de Viseu - Instituto Politécnico de Viseu;
 2CI&DETS – Centro de Estudos em Educação, Tecnologias e Saúde, 3504-510 Viseu,


O cardo (Cynara cardunculus L.) é uma espécie preferencialmente de polinização cruzada com maturação sexual assíncrona e protândrica com elevada heterozigocidade. O cardo selvagem [var. sylvestris (Lamk) Fiori] tem sido reconhecido como ancestral da alcachofra [var. sativa Moris, var. scolymus (L.), ssp. scolymus (L.) Hegi] e do cardo cultivado (var. altilis DC).
O cardo pode ser considerado um recurso endógeno na região da Serra da Estrela, pela necessidade obrigatória da utilização da sua flor na produção do Queijo Serra da Estrela DOP, conforme consta no atual caderno de especificações. Em Portugal, o cultivo do cardo é praticamente inexistente, embora apresente um vasto potencial de crescimento pela multifuncionalidade e versatilidade da planta.
Nos últimos cinco anos, temos vindo a identificar e caraterizar a biodiversidade do cardo na região da Serra da Estrela selecionando um conjunto de genótipos pelas caraterísticas morfológicas e bioquímicas ao nível da composição e concentração de cardosinas na flor de cardo.
O projeto Cyn.stress pretende avaliar o efeito do stresse hídrico em plantas de genótipos selecionados que apresentam morfologias e perfis bioquímicos de cardosinas exclusivos. Estas plantas estão sujeitas a diferentes regimes hídricos para avaliarmos a resposta das plantas ao nível das caraterísticas morfológicas, bioquímicas e moleculares ao longo de dois anos.
A avaliação da resposta ao défice hídrico de cada genótipo é efetuada em 10 plantas instaladas ao ar livre, envasadas em contentores com 1 m3 de solo e condições de fertilidade similares. Cada planta foi obtida por propagação vegetativa a partir de plantas mãe para garantirmos material vegetativo geneticamente similar. Após o primeiro ano de estabelecimento das plantas, em cada genótipo 5 plantas são mantidas em condições de conforto hídrico (modalidade FI) e 5 em condições de défice hídrico controlado (modalidade RDI). O regime hídrico será assegurado através da metodologia de condução e programação da rega. Realizaram-se análises de terra no início da instalação que são repetidas no final de cada ciclo vegetativo.
Ao longo do crescimento vegetativo da planta são monitorizados e caracterizados um conjunto de trinta descritores morfológicos da planta, folha, capítulo, flores e sementes. Em termos médios, no primeiro ano após instalação, as plantas possuem um caule, com uma altura de 88 cm, um diâmetro na base de 21,7 mm e de 11,3 mm no topo. Apresentam 12 capítulos com um comprimento de 64,8 mm e um diâmetro de 68,1 mm. As folhas com um comprimento de 79,7 cm e uma largura de 40,6 cm revelaram um peso de 90 g.
As flores colhidas são usadas para a determinação da concentração e composição do perfil de cardosinas, individualmente, em cada uma das plantas dos diferentes genótipos, comparando com as recolhidas nas plantas-mãe. No futuro, serão ainda avaliados nas flores os níveis de expressão de cardosinas nos transcritos de RNA, em diferentes tecidos da flor e durante o período de crescimento da flor. Os resultados obtidos neste estudo permitem avaliar de uma forma precisa o efeito da dotação hídrica na produção total e parcial de biomassa e a influência na composição bioquímica das flores.

Agradecimentos: Os autores agradecem ao CI&DETS – Centro de Estudos em Educação, Tecnologias e Saúde e à Caixa Geral de Depósitos pelo apoio financeiro para a realização do projeto PROJ/CI&DETS/CGD/0001.



sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Cicytex....abrir novas possibilidades de colaboração

Gostaria de agradecer a Jeronimo Gonzalez a oportunidade de podermos visitar a cicytex, uma estrutura que estuda também o cardo e com a qual pretendemos colaborar no futuro. Agradecer também a Marcelina, Cármen e toda a Escuela Cynara Naturalis pela possibilidade de permitirem esta ligação que acredito vá dar frutos num futuro próximo.

http://cicytex.juntaex.es/es/






Nasceu mais um projeto X-Duets...

...o primeiro episódio foi na queijaria de Germil, o próximo será .....














CYNATURA em Elvas....

CYNATURA: O CARDO COMO MODELO PARA UMA ESTRATÉGIA DE VALORIZAÇÃO INTEGRADA
Paulo Barracosa1,2, Manuela Antunes1, Rui Coutinho1,2, António Pinto1,2
1Escola Superior Agrária de Viseu - Instituto Politécnico de Viseu;
 2CI&DETS – Centro de Estudos em Educação, Tecnologias e Saúde, 3504-510 Viseu,

Resumo
O desafio é desenvolver uma cultura de futuro, sustentável, de base agronómica, assente em diversos domínios do conhecimento e respeitando os valores e interesses de uma instituição politécnica como um todo, numa região de interior com potencial empreendedor e inovador.
O cardo (Cynara cardunculus L.), fruto de uma estratégia de evolução natural em paralelo com a domesticação e o melhoramento, revela uma natureza altamente heterozigótica, traduzida numa extensa diversidade fenotípica e genotípica.
Em Portugal, como na região do Queijo Serra da Estrela, o cultivo do cardo é praticamente inexistente sendo a principal e quase exclusiva vocação a utilização das suas flores como coalho vegetal em queijos com Denominação de Origem Protegida (DOP). Atualmente regista-se uma tendência mundial crescente para a produção e consumo de queijo, privilegiando-se a utilização de coalhos de proveniência vegetal em detrimento de outros de origem animal ou biotecnológica.
O projeto Cynatura, desenvolve e cria soluções inovadoras com assinatura no cardo, através do conhecimento técnico-científico multidisciplinar numa espécie com vocações e aplicações múltiplas que, ao promover a valorização nutricional e alimentar, a saúde e bem-estar, a sustentabilidade ambiental e a integração social pode afirmar-se como uma cultura de futuro para muitas das regiões do nosso território. Este projeto procura estimular o desenvolvimento de conhecimento científico aplicado entre departamentos e unidades orgânicas do IPV e entre politécnicos, para além de outras instituições referência a nível mundial.
Neste caso, como em muitos outros exemplos, é a produção agrícola que suporta toda a pirâmide de valorização da produção e transformação. Produzir com uma qualidade diferenciada de forma eficiente e sustentável perspetivando as alterações climáticas são requisitos obrigatórios para o sucesso na agricultura. Para concretizarmos este desígnio temos que produzir com menos recursos e meios, ter menos desperdícios e retirar mais dividendos económicos pela aplicação especializada dos mais diversos compostos bioativos existentes nos diversos componentes da biomassa vegetal designadamente na raiz, caule, folha, capitulo, flor e semente. A seleção, caracterização e melhoramento dos recursos genéticos permitem a criação das melhores características para a planta tendo como objetivo as suas vocações mais específicas.
A flor assume-se como a força motriz do projeto, com um potencial de rentabilidade produtivo e económico, pela padronização da qualidade e especialização, procurando uma maior valorização para todos produtos onde conste como matéria-prima nas indústrias agroalimentar, cosmética e farmacêutica. Outras, aplicações estão a ser desenvolvidas aproveitando a diversidade morfológica e fitoquímica, aliadas a uma elevada resistência e adaptação a diversos tipos de stresse, usando a multidisciplinaridade e a capacidade técnico-científica instalada nas várias instituições envolvidas. Para além da sua capacidade intrínseca, o cardo é uma espécie que pode valorizar outras culturas, seja na produção especializada de cogumelos com propriedades exclusivas, seja na ação biocida e proteção de outras culturas que permitem o desenvolvimento de novos produtos e conceitos agroalimentares saudáveis, exclusivos e inovadores, nutricionalmente mais evoluídos, num processo produtivo que respeita a preservação e valorização do ambiente.