segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Vamos lá ver ...quem agarra o "Repto"!


myfutebol.blogspot.com
Temos vindo numa senda de mobilização de alunos e docentes, num momento de grande desmobilização e apreensão...generalizada no País. Este momento encerra uma mensagem forte e pretende incutir uma dinâmica em contra-ciclo, que nos pode permitir ganhar terreno face aos concorrentes. O que é facto é que sentimos os concorrentes igualmente com dinâmicas interessantes, como é o caso recente da ESACB. São projectos pequenos mas que lhes permitem ir às televisões apregoarem os seus feitos, com todo o mérito. Essencialmente projectos que interagem com a comunidade. E nós? Afinal qual é o apelo? No fundo, consiste em juntar docentes e alunos e envolvê-los em projectos em curso e noutros futuros. Proponho uma reunião às 18 h de quarta-feira próxima (2 de Novembro), para falarmos todos abertamente e vermos a possibilidade e o entusiasmo de nos envolvermos em conjunto em projectos, como o AARC, do SMAS, da CMV, da AFN e de outros que os próprios docentes queiram trazer a "terreiro". Fazer a ligação às escolas secundárias na região, como a Emidio Navarro, a Viriato e a Alves Martins. Que os nossos alunos, devidamente "ensinados" possam ser os nossos "pontas de lança" e permitam-nos dar uma reposta mais pronta para as inúmeras solicitações, e que simultaneamente, possam aprender fazendo e assumir cada vez uma maior responsabilização, devidamente amparados pelos docentes. Mas é igualmente importante que, os "mayores de 23" também estejam envolvidos, que tragam as suas limitações, mas também as suas experiências enriquecedoras, e as possam transmitir aos colegas, ditos "do regime normal". Esta mensagem será divulgada entre colegas e alunos e não "explodirá" ao fim de 60 s. Juntemo-nos na próxima 4ª feira pelas 18 h, apenas com este intuito... de fazer mais e melhor pelo curso de Ecologia e Paisagismo e por todos os outros que se queiram associar e concomitantemente pela ESAV.

domingo, 30 de outubro de 2011

Eu vou para a Holanda... não tarda muito!



http://www.rsm.nl/home
Os holandeses sabe-se que são um povo "mercantilista" sob ponto de vista comercial e industrial, com os quais por vezes não é fácil lidar, mas com uma dinâmica invejável, um rigor extremo e uma grande criatividade  assente num processo social e ambientalmente sustentável. Pelo menos é assim que os vejo! Mas quero falar em concreto da Escola de Gestão de Roterdão (RSM), na qual, as aulas de MBA são ministradas numa sala improvisada no seio do parque botânico. Quantas vezes já falei aos meus alunos, do prazer que seria ministrar as aulas, em espaços simplistas edificados pela quinta da Alagoa. A inveja que sinto pelos alunos de Vila Nova de Paiva que podem ter as aulas práticas de laboratório no seio do Parque Arbutus do Demo e as teóricas no centro de interpretação, o edificio sede. Lanço este repto para o novo Presidente, que possa criar algumas estruturas na Quinta da Alagoa, e que os docentes possam ganhar inspiração para uma melhor docência se for possível e para que os alunos tenham uma visão mais holísitica da vida. O desafio é fazer isto de modo economicamente, ambientalmente e paisagisticamente sustentável. Os alunos de da RSM são obrigados a vir à rua, chova ou faça sol por forma a aprenderem a mudar os hábitos para com as preocupações ambientais mas também por uma questão de sanidade mental. E então lêem poesia sobre a natureza, fazem desenhos sobre o que vêem e tiram notas sobre o que lhes chama a atenção. Neste instituto o processo de selecção é extraordinariamente criterioso e as propinas anuais são de 39.000 euros. Até não é muito porque os meus sobrinhos na primária pagam quase isso.

Um Ás ou um Asno?


terefmandrea.blogspot.com
Fui  colher inspiração para este título, ao Rui Reininho e ao que disse, ontem, num programa de estreia da RTP1, onde os elementos do júri estiveram com muito a propósito, e com diferentes modos de actuação, o que valoriza o conjunto. A propósito da RTP lá vem  "o jardineiro" com mais uma acção de poda, agora sobre a publicidade da RTP, para fazer a vontade aos privados e cujo resultado se está a ver. Quebra de receita astronómica por parte de uma estrutura do estado, para distribuir pelos outros, os que produzem a sério, e a necessidade de se colocar mais verba do orçamento do Estado, para no futuro, se tapar mais um "buraquinho" e abrir-se mais uma oportunidade de emprego. Mas não era para isto que começei a escrever. Foi só porque estava a ler o caderno de economia onde vem publicada a noticia...estão a estudar...está-se mesmo a ver o resultado. O Rui Reinhinho, sentiu-se um "asno" ao não apostar num dos candidatos que considerou, poder vir a ser um "ás". Há contudo, uma grande diferença entre poder vir a ser, e ser na verdade. O que é que o Reininho, viu nele, que lhe causou alguma dúvida em não apostar numa certeza? O facto de como disse não ter "unhas para aquela guitarra", ou como quem diz não ter a capacidade técnica para fazer voar e ecoar aquela voz. Não acredito! Terá sido apenas um  pequeno pormenor. A este nível as diferenças fazem-se por pormenores e nem todos têm a capacidade de ver os pormenores. O Reininho é que não trabalha com qualquer um e consegue "ver a árvore no meio da floresta" e a eventual margem de progressão e crescimento de uma "árvore". Capacidades temos muitos, muitas, mas com "alma que transpire" somos poucos, aliás muito poucos. Para um trabalho em equipa, seja entre pares, seja de "coaching" é preciso muito mais do que capacidade... é preciso cumplicidade. Olha tu não tens mais nada que fazer?... vai mas é pregar para o deserto!

sábado, 29 de outubro de 2011

Um "passarinho" disse que a AE ia organizar uma Assembleia para se discutir o FUTURO da ESAV!

Crónica a publicar brevemente, com as eventuais conclusões desse fórum. Fico contente por saber que a intenção é juntar docentes, funcionários e alunos numa discussão construtiva, sobre estratégias para uma escola que se quer de futuro. Segundo sei, irão ser convidados os elementos da presidência da ESAV, para que possam também contribuir para essa estratégia... em tempo útil. 

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

ESAV... SAVE this name! Uma Missão (não) Impossivel ! ...O teu Curso faz ECO? O nosso faz!

Depois desta etapa, temos todos que pensar em conjunto, na forma como usar ferramentas de fácil acesso, de grande capacidade e potencial, com criatividade e inovação, sabendo transmitirmos a mensagem que queremos, para uma divulgação, demonstração ou "whatever"! Este processo simplificado, ajudou a reforçar os laços entre o director de curso e os alunos. Ajudou-me a perceber o vosso potencial e a vossa capacidade mas... falta fazer tudo. Com este primeiro "videozinho" (porque é uma coisa do qual gostamos) prentendemos mostrar a abrangência regional do curso de ecologia e paisagismo e da ESAV. Temos algarvios de Algoz, alentejanos da Vidigueira, madeirenses da Choupana, açoreanos da Terceira, minhotos de Barcelos,  e da Póvoa, Presidentes de Santa Comba e até gente de Viseu, cidade e distrito. Propomo-nos a encher o curso no próximo ano lectivo, nem que para isso tenhamos que chamar um chinês, nem que seja de Carregal do Sal. Para isso temos que divulgar os trabalhos técnico-cientificos que estes alunos estão a fazer e do seu interesse científico e para o público em geral. Desenvolver o protocolo assinado com a autarquia de Viseu e mostrar que somos capazes de ajudar esta que é uma autarquia de referência a nível nacional. Promover mais um conjunto de outros protocolos, nos quais temos imensos interessados, entre as quais a autarquia de Mangualde e muitas mais. Mas é protocolar para fazer e não para pôr na parede. E temos que mostrar,...mostrar e mostrar tão só aquilo que fazemos e bem! Com a força que sinto por parte dos alunos, a vontade que tenho é lançar desafios à comunidade, às autarquias, às empresas, às escolas. Sabemos que não podemos ir a todas e depois temos os "empatas". A próxima caminhada é para os Mayores de 23 Anos, os tais que já gostam de comer sopa e que iremos cativá-los a virem e a motivarem os outros com a sua experiência de vida. Para a semana teremos novidades neste aspecto. Juntar ao vídeo os nosso mayores que por cá já andam para darem a sua opinião e dizer aos que querem vir se vale a pena. Vamos tentar fazer muito, alunos e docentes, mas não vamos fazer tudo. São precisas ideias novas porque... não temos nada a perder! Em relação à assessoria técnica, foi do tal  brasileiro naturalizado, ao qual agradecemos a paciência.

Visions... of the Éden!

Esta crónica devia ser escrita em Inglês para que as nossas alunas Erasmus da West Pomeranian University of Technology of Szczecin da Polónia, Malgorzata, Suzanna e Paulina a percebam. Terei o cuidado de lhes enviar a tradução. Como director do Curso de Ecologia e Paisagismo da ESAV, vou aproveitar este ensejo para lhes resumir uma história de sucesso, como tantas outras que a ESAV tem tido nestes últimos meses e anos. Aliás, enquanto estou a escrever estas linhas, estou a trocar mails com uma responsável da Reserva Natural das Dunas de São Jacinto, que enalteceu o brilhantismo do trabalho realizado por uma aluna do curso de Eng. Florestal, (do qual também sou Director não faço mais nada se não dirigir) a Sarah Ferreira, bem como aos orientadores, enfim à ESAV. Não temos só "Sarahs", mas temos outras "Sarahs" e outras e outros que não o sejam, teremos que fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para que o possam ser. Agora, não me convidem para "padrinho", porque já tenho uma boa dúzia deles, e as "amêndoas da páscoa" estão caras, para além de que, há por cá muitos docentes e com valor, peçam-lhes também a eles. Mas a história que ia contar tem a ver com um outro brilhante trabalho de requalificação do espaço da barragem da Quinta da Alagoa, onde se situa a ESAV em Viseu. Este espaço será alvo, a breve trecho, de um amplo projecto urbanístico, incluido no novo PDM da cidade. A autarquia, no que toca à parte técnica, teve o cuidado de falar connosco para minimizarmos os riscos. Nesse sentido lançamos uma contraproposta de valorização desta zona. Cabia ao IPV saber "jogar" politicamente, o que nós fizemos tecnicamente. E depois a autarquia no âmbito do negócio imobiliário, saber incluir esta valorização de um novo espaço de ususfruto da cidade e que poderia constituir um "case study" a nivel nacional, de como um espaço de "reserva urbana" ajudaria a valorizar um projecto urbanistico envolvente. O título do próprio projecto imobiliário poderia ser "Visions of the Éden!". Temos que reinventar as formas de acessibilidade e de acomodação e neste particular Viseu podia dar o exemplo. Acresce o facto da ESAV (Environmental SustainAbility Vision)  localizar-se num território fértil na interface entre a Urbanidade e a Ruralidade, permitindo usufruir do melhor dos dois mundos, devendo combinar Conhecimento, Ciência, Inovação, Beleza, Lazer, Cultura e Desporto, numa visão de sermos capazes de usufruir do ambiente de um modo sustentável. A proximidade física ao projecto poderia constituir-se como um trunfo para a prossecução e valorização criando um sentimento de partilha e usufruto do espaço em prol da sociedade e da cidade. Cabe na cabeça de alguém que a ESAV, continue a pagar uma renda por um espaço, que a autarquia considera de extrema importância para o equilibrio ecológico da cidade de Viseu e do qual os dirigentes da ESAV não conseguem tirar qualquer benefício. Não teria sido preferível ter-se incluido no projecto imobiliário uma compensação para que a ESAV/IPV em vez de pagar uma renda, possa fazer investimento num centro de interpretação e noutras infra-estruturas e disponibilizar o espaço à cidade, nas suas mais variadas vocações. Quem ganharia com isso? a autarquia, a ESAV, o IPV, a confraria do Lar de Santo António? Não! Ganhariamos todos sem excepção e acima de tudo a cidade de Viseu. Mas como diz aquele provérbio político ... "Santos da casa não fazem milagres!". este vídeo ilustra em base real, um projecto que inclui um centro de interpretação, um anfiteatro, um reserva de paúl, espaços de bird watching e ... eu vou-lhes contando aos poucos... para não vos espantar! A semana passada esteve em Viseu a Embaixatriz da Polónia em Portugal. Alguém falou à Ex.ª Sr.ª Embaixatriz do brilhantismo desta relação entre Polacos e Portugueses, fruto do programa Erasmus, que permitiu a realização deste projecto? Não! Eu... estava em França!

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

POORtugal... também irá ter Perdão!


A Grécia tem vindo a abrir o caminho, com alguns meses de antecedência, sobre o que vai acontecer a Portugal. É preciso capitalizar esta noticia, recente, e saber usar como trunfo no momento certo. Seria quanto antes! porque, proporcionava uma "almofada" para que não houvesse uma recessão tão significativa, por redução do consumo e do investimento... e da moral e estado de espírito! Mas era preciso "ensinar" as pessoas a consumirem, o que é nosso, e existir um verdadeiro esforço de apelo nacional no sentido do crescimento, com alguns cortes, mas não causando amputação. Reparem no exemplo do aumento do IVA na restauração e no turismo, em conjunto com o acabar dos feriados,...causa um dano gravoso no nosso tecido turismo, cá dentro, e no amenizar de muitos dos sacrificios. Este é um dos exemplos do que não se deve fazer. Mas isto sou eu a pensar! Mas a politica, usa outros estratagemas, e como pensa a quatro anos irá aliviar esta pressão lá mais para a frente, não cortando os 13º e 14º meses nos próximos dois anos, mas apenas no próximo, para depois virem em crescendo até às próximas eleições, como os salvadores da pátria. Esta questão financeira ainda será das menos problemáticas, porque a grande questão centrar-se-á no relacionamento interpessoal, ou seja da própria sociedade, na questão da injustiça das avaliações no sector público, não porque não devam existir quotas, mas ninguém crê que haja uniformidade nas avaliações porque quem está a avaliar, não tem muitas das vezes, crédito para o fazer. Com facilidade iremos atingir o Caos, porque as pessoas ainda aguentam os cortes, não compreendem é a irracionalidade e a injustiça. Ao contrário da Grécia que ia caindo por uma questão económica, nós arriscamo-nos a fazer cair a sociedade. Os nossos governos são compostos por economistas e engenheiros, parece-me a mim que no próximo terão que incluir psicólogos e psiquiatras se não como governantes, como conselheiros. O ministro das finanças faz-me lembrar alguém muito próximo, que está para cair. No inicio quer a um quer a outro, todos achavam graça, agora suspeito que já não os possam ouvir. Vou desligar porque parece que estou a ouvir... Passos!

Que "raça" de raças é que cá temos na ESAV?


csm7anoa.pbworks.com
Quando se fala em raças pensamos logo em exclusões racistas, muitas vezes desencadeadas por motivo algum, apenas por síntese exacerbada de um pigmento, a melanina. Esta exclusão pode acentuar-se quando os diminuitivos são uma extensão do pigmento, tal como os que terminam em "nina". Numa instituição que promove a diversidade genética e estuda os desvios comportamentais, seria natural que estivesse habilitada para lidar com raças, feitios, formas e tamanhos diferentes, em qualquer dos reinos, sem que nenhum se sentisse deslocado, havendo contudo alguns "desbocados". Mas na realidade verificamos que alguns são mais iguais que outros, e que ao fim ao cabo muitos nos vemos "negros" sem vislumbrar uma luz ao fundo do túnel. Só que nos julgam todos por igual. Sei que não sou nenhum príncipe, mas também sei que como "São Tomé"... é preciso ver para querer. A personalidade no mundo que mais admiro é Nelson Mandela, "Madiba", um exemplo único de liderança, de união, de fraternidade, não estando presente todos os dias, a sua áurea paira e um dia que desapareça, não há quem o substitua. Isso não me atribui nenhuma qualidade superior face ao que me rodeia, mas recordo bem o dia em que vi o Invictus, estava o FC Porto a perder 5-0 com o Arsenal e escrevi-o neste blogue. É daqueles filmes que marcam...alguns, porque para outros... não há "remédio santo"!
....http://biodivercidade-esav.blogspot.com/2010/03/invictus-vs-porto.html ...para algum que tenha curiosidade!

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Andamos na Floresta e... por vezes não vemos as árvores!


infohabitar.blogspot.com
Hoje, realizaram-se os trabalhos finais de curso dos alunos finalistas de Eng. Florestal. Como director de curso, foi extraordinariamente gratificante podermos assisitr ao nível elevado dos TFCs apresentados, que reflecte o empenho dos docentes, orientadores e arguentes da ESAV e em especial deste curso. Acima de tudo, existiram exemplos vários de testemunhos de orientadores que, por vezes, tiveram que refrear o entusiasmo dos alunos ao longo do trabalho, para poderem concluir em tempo útil, porque por vontade deles o trabalho não teria fim. Foi igualmente importante, a presença de representantes de várias autarquias, designadamente do Sátão e Mangualde que reflecte o empenho com que receberam estes nossos estudantes, aproveitando-se para lançar inclusivamente novos projectos. O ponto menos positivo e quiçá imexplicável, é estarmos a assistir ao acabar de um curso na ESAV, e até no País, numa área onde as solicitações são muitas e as oportunidades também. Este facto, deve ser objecto de uma reflexão profunda, porque, desde sempre, este curso guindou a ESAV para patamares elevados, com elevada taxa de empregabilidade dos nossos alunos, fruto de uma colaboração estreita com a AFN, bem como, com outras estruturas do meio, designadamente as autarquias e empresas do sector florestal.  Uma palavra de agradecimento para os meus colegas orientadores, arguentes e presidentes de júri, com uma menção especial para os da secção da matemática e informática por se terem associado e contribuido para o sucesso destas apresentações. Fica aqui a minha palavra de alento para estes alunos que concluiram com brilhantismo esta etapa e uma mensagem de esperança para o futuro que se avizinha já amanhã. Sejam preserverantes na procura de um futuro, não se deixem desanimar porque como diria Aquilino Ribeiro "alcança quem não cansa".

Esta é por "Ti Amor"


Este post é em honra da minha esposa que, tanto se queixa, do tempo que passo por aqui por este lugar e aproveito para justificar a minha ausência no passado sábado, conforme se pode ver estive no seminário relativo a "Timor" passados 10 anos. O photoshop faz milagres!

Lago... Aquilino Ribeiro!

Tenho com o parque Aquilino Ribeiro, aquilo que se pode apelidar uma relação sentimental. Por várias razões. Era o parque mais notável da junta da qual o meu sogro foi Presidente, durante largos anos e que por isso várias vezes passeamos por lá juntos, em conversas amenas, e muitas vezes estratégicas, para o futuro de uma escola, uma cidade, uma população. Desses passeios saiu um alerta! é preciso fazer-se urgentemente uma avaliação biomecânica e fitossanitária dos exemplares arbóreos destes espaço nobilíssimo da cidade, até pela preocupação especial que ele tinha para com as pessoas. Bons velhos tempos! Assim em 2004, uma aluna minha a Cátia Pereira, desenvolveu um trabalho notável de avaliação de 53 árvores no Parque. Um trabalho entregue na autarquia nesse ano e que era uma ferramenta importante para a idealização do espaço que, o arquitecto Viana Barreto viesse a desenvolver e a criar na nova interpretação do parque passados cinquenta anos.  Sei que o trabalho lhe chegou às mãos passados alguns anos, aliás após me ter perguntado se havia algum estudo dessa natureza...ao qual lhe respondi há-de estar numa gaveta, é só uma questão de procurar. Na altura chamei à atenção para um conjunto de debilidades que seria preciso acautelar, mas "santos da casa não fazem milagres". Assisti incrédulo num domingo, dia de eleições europeias algures em 2004, à queda de um ramo de grande porte a 10 m de um policia e de um bombeiro, cujo comentário foi "ainda bem que caiu se não tinhamos que puxar". Nós, ESAV, estamos cá para ajudar a autarquia e todas as instituições que sintam que possamos ser úteis. Temos limitações, como todos sabem, mas temos muita vontade de fazer e também sabemos aquilo que podemos fazer, agora, por favor! Não nos chamem apenas quando há problemas difíceis, de vez em quando chamem-nos, a ESAV, para a fotografia, porque todos gostamos de "carinhos". Em relação às opções tomadas na requalificação do parque, não me fica bem criticar, apenas vou fazer dois reparos e um comentário: 1) Arrancar o alcatrão, Sim! colocar calçada acimentada, Não!...era preferível um bom "tuvenan". As minhas filhas já não caem na calçada, mas as crianças "pequenas" não podem dizer o mesmo; 2) O lago é de dimensões desproporcionadas,...já ninguém, se lembra do sucesso das manhãs desportivas nos relvados do Parque? É pena, agora serão as manhãs não na piscina, mas no lago... e não se esqueçam de levar as bóias os mais pequenos! 3) Então a estátua do Mestre Aquilino Ribeiro, não tem lugar no Parque? é uma questão de justiça, cultura e acima de tudo bom senso. Perguntem ao Exm.º Arquitecto Viana Barreto se se importa? Quase que "ponho as mãos no lume" que não!

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Missão Impossivel? ... Não!

Foi esta a música escolhida pela minha equipa de alunos, para mostrar que seremos capazes de conseguirmos os nossos objectivos e levar o nosso projecto avante. Encher o curso de ecologia e paisagismo da ESAV no próximo ano lectivo. Tal como o governo do dr. Passos Coelho, não dependerá só de nós, mas acredito que tudo faremos para cumprirmos a promessa. O alento e incentivo dos próximos dirigentes, o apoio da instituições da região e da cidade, fruto de um trabalho profícuo que temos vindo a desenvolver e que precisamos de mostrar. Com a Autarquia de Viseu, com o SMAS, com a AFN, a ADDLAP, a Direcção Regional, o RI-14, as Escolas secundárias da cidade, e estruturas similares distribuidas pelo distrito. Hoje iniciamos as filmagens com os nossos actores de primeira água. Esperamos que no decorrer desta semana começará a circular um primeiro spot de promoção ao curso, mas acima de tudo à escola. Hoje filmou o Presidente, o Ivo, a banda sonora, a Ana "Grave", o Courela e o Chinês. Amanhã faltam filmar a Lurdes, o Terra Nostra e os nuestros hermanos para concluirmos as filmagens, depois é só produção e pós-produção.

Hoje, vamos atingir as 10.000 visualizações!


oquedeveserdito.wordpress.com
Este espaço tem vindo a crescer de forma sustentada. Eu compreendo que muitos de nós, os que acompanhamos estes posts, não percebem muitas das coisas que aqui se escrevem, mas acreditem que eu também não! Nós não o fazemos em "surdina", mas também não andamos por aí a "zurrar". Percebe quem quer, e quem não quer ouve apenas, agora não se ponham é a adivinhar, porque senão...misturam "alhos com bugalhos". É uma pena eu não conseguir gerar a discussão construtiva, mas está tudo no facebook, e aí é que se jogam as cartas. Por um lado, é bom, porque posso escrever mais no recato, sem dar nas vistas. Hoje vamos então atingir as 10.000 visualizações que é um número que me surpreende. Há muita gente que passa por lá, embora ninguém pique o cartão. É ao contrário de muitos sitios onde se pica o cartão sem lá ir. Prefiro a primeira forma, embora fique com inveja dos segundos.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Já temos Equipa...!


gestaodeempresas.net
Tenho uma equipa "fabulosa" de alunos, daqueles que nos motivam, dos mais variados cursos. Amanhã, iremos fazer as filmagens para o spot do curso de ecologia e paisagismo, mas acima de tudo da ESAV. É preciso convocar a Lurdes, o "Terra nostra", o "chinês", o "guitarrista" , o "hombre de Valladolid" e todos aqueles que sabem que conto com eles. Vamos por isto a mexer! A nossa verdadeira meta serão as próximas candidaturas aos "maYores de 23 " mas até lá temos um longo caminho a percorrer, na net...nas redes sociais...nos blogues...com criatividade e capacidade.
Então mas hoje, houve alguma coisa de relevo? Não, apareceu mais um e "encarquelhou" logo isto. Havia pessoas a chorar, outros a fugir, mas nada que fosse muito diferente do habitual. Ah, só houve a nossa aluna que esteve em Timor, a Mena, que deu noticias e que alegria nos deu, ouvi-la directamente de Andorra. aliás vou-lhe fazer um repto. Mena envia-nos os negativos das fotos de timor para fazermos um exposição. São as de timor e não as de"ti "amor"".
Aproveito para publicar o comentário que a Mena fez à crónica sobre os 10 anos passados...que testemunham o trabalho meritório realizado pelos professores e alunos da ESAV, os que foram ao território, mas também aqueles que trabalharam e não foram. Disso eu não me envergonho, o que me envergonho é do resto.
..."Não sabia da existência deste blogue! Foi um passarinho que me assobiou a existência dele! Ainda bem que no sábado preferiu ir ao Seminário organizado pelo cor.Figueiredo para comemorar os 10 anos do PORBATT em Timor! Li muito atentamente tudo o que disse em relaçao ao vosso trabalho, como docentes, no que diz respeito à preparaçao do PORBATT. Na altura quando o Eng.º Pedro Rodrigues nos comunicou que haveria essa possibilidade, acho que lhe disse que sim, sem pensar muito bem onde me estava meter! Há 10 anos atrás, neste mesmo dia, estava em Timor Leste, algures pelo vale do Gleno, tentando reviver hectares de terreno em conjunto com a Missao Agricola em Timor Leste. Foram 6 meses de muito trabalho, de distanciamento da nossa realidade e "absortos" de uma quantidade tal de informaçao que foi quase impossivel transcreve-la toda para o TCC. O trabalho final foi entregue e fotografias do trabalho no terreno, estao guardadas como se se tratassem de uma relíquia! Quando diz que tem vergonha de pertencer a uma instituiçao assim, pois nao tenha! O vosso e o meu trabalho foi feito e assim seguirá! Lá num país muito distante, estão placas do trabalho realizado em cooperação com o PORBATT, a MATPL e a ESAV. Podem todos incluir-se, afinal de contas se não tivesse sido por vocês eu não teria ido! Se houver outra vez a mesma oportunidade, eu aceitarei! Até sempre Dr.Paulo Barracosa!! Beijinhos Mena Lopes".

domingo, 23 de outubro de 2011

É preciso inventar a vontade de viver uns com os outros!


best-cine.com
Estamos a viver um momento delicado que, de acordo com as regras científicas poderiamos definir de caos. De uma forma simplista esta situação acontece quando as hierarquias superiores não se fazem respeitar e não debitam, regras e ordens para que a pirâmide hierárquica obedeça. Pelo contrário, são as bases da pirâmide a condicionarem a actuação da cúpula hierárquica e deste modo há dois sistemas que funcionam em antiparalelismo, sem qualquer consequência, ou de forma fatal. No meio desta "amálgama", desenvolve-se todo um processo "nebuloso" de formalização de candidaturas clandestinas, nas quais ninguém dá a cara. A união artificial de um grupo, fruto de estarem todos muito distantes de uma hierarquia, mas que na verdade também é composto por pessoas muito diferentes, pode, caso a presidência seja eliminada, revelar a realidade dos factos. Somos todos descendentes do Homo sapiens, mas na verdade temos pouco em comum. Quem pode ganhar com a situação? a actual presidência, caso não abdique. Estão a decorrer negociações infindáveis, demasiado artificiais, forçadas por elementos exteriores, que em nada estão a ajudar à resolução de um problema que na verdade tinha uma resolução simples, embora não simplista. Aprendam-se a respeitar uns aos outros, sejam verdadeiros e olhem-se olhos nos olhos.

Oportunidades desperdiçadas... em Catadupa!


"A crise é uma oportunidade que não pode ser desperdiçada",  é o titulo de um artigo do jornal do centro feito com base na recente estada em Viseu de uma comitiva Polaca, liderada por Katarzyna Skózynska, Embaixatriz da República da Polónia em Lisboa. Mais uma vez, a ESAV perdeu uma oportunidade de ouro para mostrar a sua intervenção na cidade e a sua multidisciplinaridade de acção e internacionalização, através do exemplo do trabalho realizado por três alunas polacas do programa Erasmus, a Malgorzata, a Paulina e a Suzanna. Estas alunas realizaram um trabalho notável, reconhecido pelos serviços técnicos do urbanismo da Câmara Municipal de Viseu, através da realização de um projecto de requalificação da Quinta da Alagoa, no qual mostraram a muitos de nós as potencialidades desta quinta para a Escola e para a cidade. Todo o trabalho desenvolvido ao longo de três meses  e o capital acumulado foi literalmente desperdiçado de uma forma inglória. Por várias vezes tenho dito. Não temos que trabalhar mais, temos é que trabalhar melhor e acima de tudo sabermos mostrar aquilo que fazemos. Vamos lá ver se acertamos o passo, ou o melhor será sair de cena. Publiquei em 27 de Março uma crónica relativa a este assunto e em breve disponibilizarei uma apresentação do projecto. Em jeito de curiosidade o Presidente do IPV assistiu à apresentação das alunas na ESAV a par do Eng. Sousa da CMV, o que denota a importância dada a este assunto, mas que ninguém soube capitalizar...IPV incluido! Há alguém na Instituição ESAV/IPV alguém responsável por este pelouro? Não parece!

sábado, 22 de outubro de 2011

Uma "cultura" para Timor Leste...10 anos passados!

 E porque hoje é Sábado! resolvi abdicar do conforto familiar e ir assistir ao seminário organizado pelo Coronel Fernando Figueiredo para comemorar os 10 anos da partida do 2º Batalhão de infantaria/PORBATT, que saiu de Viseu para conduzir a missão UNTAET a favor da independência Timorense. Esta realização decorreu com a dignidade devida e acima de tudo com imenso sentimento, mesmo corridos dez anos, pelo facto dos objectivos terem sido plenamente atingidos, tanto no território de Timor Leste como pelo envolvimento alcançado na cidade de Viseu, à altura. Recordo-me da colaboração frutuosa estabelecida pela ESAV com este batalhão em concreto, que permitiu que uma comitiva da Escola Superior Agrária acompanhasse o batalhão e desenvolve-se em conjunto um trabalho extraordinariamente meritório de formação agrícola no território. Na altura, recordo-me com alguma emoção, a primeira formação que ministrei com o título desta crónica "Uma "cultura" para Timor Leste". Tivemos que estudar muito na altura sobre a cultura, as gentes, as paisagens e as culturas, para podermos transferir conhecimento para os militares e posteriomente no local como valorizarmos as práticas e o cenário agrícola em Timor Leste. A comitiva da ESAV foi composta pela Eng. Pedro Rodrigues, actual Vice-Presidente do IPV e o Eng. Joaquim Soares de Sousa, técnico superior na ESAV e posteriormente uma aluna de Eng. Agronómica, a Filomena, que fizeram um trabalho notável num território dificil, pelo desconhecimento e pelas práticas enraizadas, embora com uma margem de progressão imensa. O projecto incidiu essencialmente na área do café, embora tivesse outras vertentes. Face a este cenário, qual a razão da ninha ira? Da ESAV como instituição, não havia vivalma e da parte do IPV merecia a presença da pessoa certa. Qual a razão? Não foram convidados? Da informação que obtive directamente do coronel Figueiredo, foi solicitado que a ESAV estivesse presente e que fosse difundida a mensagem. Além do mais, serviria ainda para evocar a memória da nossa colega Celmira que também integrou o projecto e ajudou a criar laços muito fortes com o batalhão e daqui envio um abraço ao então "Major Miranda" e uma saudação especial à amiga Celmira. É preciso responsabilizar as pessoas que não fizeram esse papel, porque esta falha é de "lesa a pátria". Eu senti-me envergonhado por pertencer a uma instituição que não reconhece a sua história e o papel brilhante que teve neste processo. Inclusivamente faria todo o sentido que a ESAV, pelos seus interlocutores "revelasse ao mundo" o seu papel, as virtudes e as dificuldades e que isso fosse feito inclusivamente pela aluna que por lá passou que conviveu com os Timorenses durante largos meses, que se realizasse uma exposição fotográfica sobre o seu percurso, isto já o disse há alguns anos. Não vale a pena "bater mais no ceginho". Em meu nome pessoal quero pedir desculpa por esta falha grosseira de uma Instituição à qual estou ligado, às vezes não sei porquê, por esta falta de visão estratégica, e acima de tudo pelo desrespeito para com aqueles que lutaram que os reconheceram como pares em certa altura da história e que nem um obrigado soubemos dizer. A propósito sei que o buffet servido pelo Hotel Montebelo estava delicioso, mas nem consegui provar tal foi o entusiasmo com que partilhei mais de duas horas de conversa com os intervenientes... Alguém o degostou! A propósito esteve representada a Presidente da Assembleia da República o que mostra indubitavelmente que este era um assunto de estado para uns... embora (det)estado para outros.
Para memória futura fica o sumário da palestra:

Esta prelecção foi realizada com intuito de conferir uma visão abrangente sobre um território que apresenta um conjunto de factores que determinam o modo de actuação dos agentes intervenientes no futuro da construção agrícola da ilha de Timor Lorosae. O passado histórico foi abordado de uma forma minuciosa pelos importantes contributos prestados por alguns agrónomos, médicos, frades que por lá passaram e que para além da sua actividade profissional desenvolveram um papel brilhante na introdução de uma “cultura”.

Os temas abordados nesta aula forma os seguintes:

1 - Descrição e caracterização sumária do território

2 - Caracterização climática

2.1 Temperatura

2.2. Regime pluvial

2.3. Humidade e evaporação

2.4. Classificação climática

3 - Caracterização da flora

3.1 Cronologia das principais explorações botânicas (Alberto Thomaz, Forbes, Gomes da Silva, Osório de Castro)

3.2 Caracterização Botânica (Ruy Cinatti)

3.3 Listagem das espécies colhidas

3.4 Descrição e caracterização da Floresta litoral, Mangal, Floresta Primária, Floresta secundária e Savana.



4 - Projectos de reabilitação em curso

4.1 Reabilitação Agrícola Em Tímor Leste financiado por TFET

4.2 Objectivos

4.3 Componentes do projecto

4.4 Criação de centros piloto de serviços agrícolas

5 - Perspectivas futuras

6 - Preservação da biodiversidade

6.1 Florestas tropicais e as suas espécies

6.2 Porque é que as ilhas são susceptíveis?


7 - Cultura do café

7.1 Introdução

7.2 Coffea arabica

7.3 Coffea canephora

7.4 Produção

7.5 Estrutura vegetativa do cafeeiro

7.6 Produção de café orgânico

8 – Outras culturas

8.1 Cana do açúcar

8.2 Milho

8.3 ProduçãoFlorestal

8.4 Plantas medicinais




sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Oh...la,...la! Quantos Sarkzokys temos... por cá?

aprendafazer.net
Acabadinho de chegar, ainda penso em francês e não estou a par das novidades. Mas pela amostra do dia de hoje, a coisa tem mexido!... e muito. Segunda-feira vamos entrar na real porque,... regressa o chefe. As saudades que eu já tinha! Aliás, segundo se fala, a França vai ficar sem Presidente durante seis meses, o tempo das licenças de paternidade em Paris. Ai se eu Paris(se)! Aqui vemos a origem da palavra Parir e que os bebés vêm numa cegonha de França (Paris). Eu por lá só assisti ao nascimento da filha do Presidente na clinica La Muette  e trouxe o Figaro que antecipou o nome da Giulia. Por cá também temos Sarkzokys, de várias formas e feitios. É uma moda! Ele ainda não anunciou a recandidatura, ao contrário dos de cá que já fazem "bicha". Uns mais altos, outros quase "anões", disparam em todas as direcções, a ver se alguém olha para eles. Metem os pés pelas mãos que até parecem contorcionistas do Chapitô. Temos que ir jantar fora para comemorar. Ele há "gajos" perigosos...má cherie! Moi memme!

Que triste Sina a nossa...! Ter as mãos dormentes!


biscuitar.wordpress.com
"A quirologia baseia-se na interpretação de toda uma série de sinais contidos em ambas as mãos, com o objetivo de adquirir conhecimento sobre a pessoa. É baseada numa série de características arbitrariamente relacionadas como as linhas, formato e protuberâncias das mãos, não baseada nem corroborada por pesquisas científicas comprovatórias. A leitura das mãos tem de ser feita como um todo, por esta razão é necessária uma interpretação tendo em conta as relações entre as linhas e sinais. Do grego quiro = mão e logia = estudo, ou seja, o estudo ou conhecimento adquirido através das mãos. Na quirologia a linha de pensamento é o estudo, e não a intuição. A mão esquerda representaria o nosso potencial e a mão direita o rumo que a nossa vida está a seguir (nos canhotos os papéis das mãos invertem-se). As linhas e forma da mão podem alterar-se ao longo da nossa vida. A relação entre as linhas da nossa mão e o nosso destino não é unilateral. Pelas nossas acções e vontade podemos modificar as nossas linhas. Mas as nossas linhas influenciariam a nossa vida, acções e vontade.Um bom exemplo disso será a nossa saúde. Potencialmente podemos possuir bastante vitalidade e saúde, mas pelas nossas más acções e maus hábitos podemos danificar essa mesma saúde. Alguém que em potencial possua problemas de saúde, pode modificar a sua sina através de hábitos mais correctos, hábitos conscientes para melhorar essa mesma saúde. Em última análise, podemos dizer que o nosso destino está nas nossas mãos. E estas antevêm o nosso destino com base nas nossas acções e potencial presente."
Vem isto a propósito, de como poderemos perspectivar o futuro de uma pessoa ou de uma instituição, com base nas linhas de um projecto ou de um PDM. Parece que está tudo mais interessado em tirar alguém da cadeira, seja de um simples Presidente da ESAV ou de um Presidente de uma autarquia, mas parece que não têm interesse, vocação ou astúcia para pensarem o futuro... preferindo deixar correr as coisas ao sabor do vento, do facebook e deitarem-se a adivinhar. (Tenham cuidado com o fazer cair as pessoas da cadeira, faz-me recordar o passado). Deixe cada um de olhar para o seu umbigo, desporto no qual alguns são exímios praticantes, e olhem mais para cima...mas não por cima do ombro! A Autarquia considera que o espaço da Quinta da Alagoa, é de primordial importância para a preservação e valorização da cintura verde ecológica da cidade. Eu digo ainda mais! poderia ser um espaço único na cidade e quiçá na região e no País. Mas não tem que ser à custa da ESAV. A ESAV deveria saber fazer ver, o bem que faz à cidade, mantendo este espaço, e por isso deveria ser ressarcida desse facto. Mas não! Por inépcia, e até ignorância não consegue fazer ver os seus direitos...mas também os seus deveres para com a cidade e aí passar a ser tratada de uma outra maneira, como par que deve ser, e não como uma mera "meretriz". Vamos arregaçar as mangas e mexer as mãos...senão ficamos com as mãos dormentes e isso pode ser um sintoma de uma doença grave incapacitante!

Não é com vinagre que se apanham moscas...do vinagre!


Hoje, sinceramente não tenho tempo para escrever, estou de revisor. Para além do mais, ando aqui à guerra com um "enxame" de moscas à minha volta. O que gostaria de dizer é que "é mais fácil apanhar moscas com mel do que com vinagre". Para bom entendendor meia palavra BASTA! Custa,...A vida Custa!

Para aproveitarmos e aprendermos algo sobre as moscas, publico um trabalho de um blogue "Conta natura" com o respectivo link. Agora também não tirem conclusões precipitadas.



"Sexo, drogas e rock n’roll

Parte I - Sexo

A mosca e o sexo. Podemos aprender muito ao estudar a mosca do vinagre (Drosophila melanogaster). Desta vez venho falar-vos de estudos de comportamento. Numa tentativa quase desesperada de aumentar a audiência do Conta Natura, decidi usar o truque baixo de escrever a palavra sexo no título deste post. Truques bastante usados por todos os meios de comunicação e que sempre criticamos. Mas a verdade é que venho mesmo falar de sexo, mais concretamente do comportamento de cortejamento da mosca do vinagre. O cortejamento da mosca é bastante sofisticado e feito essencialmente pelo macho. O macho de Drosophila persegue a fêmea até conseguir copular. Começa por caminhar atrás dela. Em seguida, toca-lhe com as patas da frente. Depois, canta-lhe uma canção que toca fazendo vibrar uma das suas asas. Aqui, se tudo estiver a correr bem, lambe os órgãos genitais da fêmea e, curvando o seu abdómen, tenta copular com ela. O comportamento da fêmea de Drosophila é mais passivo e basicamente, pode ser descrito como de constante fuga às tentativas do macho. Mas apesar disto, não é um comportamento desencorajador para o pobre macho que se esforça tanto. As fêmeas produzem uma feromona que incita os machos a começar o cortejamento. Durante a dança de engate do macho, se a fêmea não copulou recentemente, e ele lhe agrada, parará de fugir dele e abrirá as placas vaginais para facilitar a copulação.

Um dos genes que regula este comportamento chama-se fruitless e fez furor nalgumas notícias em 2005. Fruitless é um gene famoso, porque ao regular o comportamento sexual de Drosophila, também regula as suas preferências sexuais. Fruitless é conhecido desde 1965, como um gene regulador do comportamento sexual da Drosophila. Desde então se tem tentado compreender como funciona e regula este processo.  Foram publicados no jornal Cell mais dois artigos que iluminam um pouco mais este processo. No artigo mais falado, os cientistas implicados fizeram uma mosca fêmea geneticamente modificada na qual inseriram o gene fruitless tal e qual aparece no macho. O resultado foi que esta fêmea começou a cortejar outras fêmeas, adoptando o comportamento do macho da espécie. Fruitless é apenas um dos muitos genes envolvidos no comportamento da Drosophila, mas este trabalho demonstra a sua importância na definição do comportamento sexual da mosca do vinagre. Atenção que não se pode extrapolar daqui até à homosexualidade humana como parecia nalgumas notícias acerca deste trabalho."




terça-feira, 18 de outubro de 2011

Alô!...está aí alguém...?











Estou só a perguntar, mas não é para responderem. Pelo mail da D. Cidália, percebo que estão todos com muito trabalho. Nós por cá estamos bem, "tirando a questão de estarmos presos no hotel, devido ao mau tempo!", mas são contingências da "Bretanha". Amanhã teremos uma viagem de barco a St. Michel,... se tiverem algum tempinho, ponham uma velinha por nós, para que corra tudo pelo melhor. A propósito estamos a preparar trabalho para os serviços internacionais do IPV, para estabelecerem um protocolo bilateral com a Universidade de Oviedo e precisamos de candidatos da ESAV para irem fazer um estágio no laboratório de Genética molecular da Prof. Eva Vázquez, para desenvolverem um estudo genético acerca da biodiversidade na truta fario que estamos a avaliar no projecto AARC. Bom, amanhã iremos para Paris, a cidade da luz vez se ganhamos inspiração para o regresso que... é sempre dificil e já não estávamos habituados. Que Deus nos ajude! Vou desligar as "baterias" porque vamos voltar ao "ram...ram". Não está ninguém aí? ...Então vou desligar. Bonne nuit".

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Afinal... o Zé é Pirata!

Seguramente que não me faltaria inspiração ou "transpiração" para escrever acerca destas dias em França. Apenas vou dizer que tem sido um prazer imenso compartilhar esta experiência com o meu colega e amigo José Manuel Costa. Acerca do título eu logo conto, as histórias, devidamente legendadas com fotos, quando regressar...se regressar.

Bonnes nouvelles....

Le bonne nouvelle sont arrivé en France...
Estava-me para deitar, após umas guiness num Irish bar em Saint Malo, no âmbito do projecto AARC, quando acedi ao gmail e encontei este mail directamente do gabinete do Secretário de Estado da Economia, que passo a transcrever, julgando não cometer nenhuma inconfidência, mas porque gosto de repor a verdade dos factos.

Exmo. Senhor Dr. Paulo Barracosa Correia da Silva


Encarrega-me o Senhor Secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, Dr. António Almeida Henriques, de agradecer a mensagem que, oportunamente, teve a gentileza de enviar.
Para o Senhor Secretário de Estado é uma grande satisfação saber que Escola Superior Agrária de Viseu teve o desempenho que mencionou no concurso Poliempreende e que o ensino superior está, cada vez mais, direccionado para a promoção do empreendedorismo e de actividades económicas com potencial de retorno, esperando que seja o primeiro de muitos êxitos deste projecto.
Nesse sentido, o Senhor Secretário de Estado teria muito gosto que transmitisse as suas sinceras felicitações:

1) Aos professores da ESAV, pela formação, pela promoção do empreendedorismo e pelo direccionamento dos conteúdos académicos para a actividade económica. Acredito, sinceramente, que é assim que se consegue contribuir positivamente para o desenvolvimento das regiões;
2) Aos alunos, pelo sucesso, pelo trabalho, pelo empenho e pelos resultados. Um Portugal moderno e desenvolvido só se pode fazer com jovens assim: com vontade de ousar e de trabalhar.

O Senhor Secretário de Estado gostaria, igualmente, de lhe transmitir que o desenvolvimento do interior de Portugal está no centro das políticas que estamos a desenvolver, tanto ao nível do Ministério da Economia, como ao nível do Governo. Neste sentido, o Dr. António Almeida Henriques expressa também aos alunos uma palavra de esperança, que é simultaneamente de apoio e de desafio. Na verdade, existem incentivos suficientes para os ajudar a passar este projecto a uma empresa. De facto, este projecto tem não só todo o enquadramento para ser apoiado, como a sua natureza e tipologia é prioritária no âmbito dos apoios existentes. Em particular gostaria de salientar os seguintes apoios disponíveis:

Programa Finicia – Consiste num instrumento de capital de risco para financiar o arranque da empresa;

SI Inovação – Consiste num incentivo reembolsável vocacionado para o desenvolvimento operacional da empresa (máquinas, equipamentos, etc.);

SI Qualificação PME – Trata-se de um incentivo não reembolsável vocacionado para o desenvolvimento internacional da empresas

O Finicia está permanentemente aberto e o SI Inovação e SI Qualificação PME abrem concurso ainda este mês.

Os prazos podem ser consultados no site: incentivos.qren.pt.

Da parte do Gabinete do Senhor Secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, estamos sempre disponíveis para ouvir e ajudar a criar empresas, em particular no interior do País.
Com os melhores cumprimentos e sempre ao dispor,


Gabinete do Secretário de Estado Adjunto da

Economia e Desenvolvimento Regional

Álvaro Santos

Chefe de Gabinete

Rua da Horta Seca, 15


1200-221 Lisboa

Telef: + 351.21. 324 54 35 - Fax: +351.21.324 54 50

alvaro.santos@mee.gov.pt



sábado, 15 de outubro de 2011

ESAV...Fazer e Dar a Ver...


Seja pela mão de quem for, temos que divulgar o que fazemos...bem. Esta mensagem vai em primeiro lugar para a AE da ESAV. Vocês mais do que ninguém sabem o que custa realizarem as coisas. As ideias são fáceis, dificil é fazer. E vocês têm-no feito e bem. Agora só vos falta divulgar. Eu já o disse, vocês AE têm que ter uma pessoa responsável pela obtenção de imagens e divulgação de tudo o que fazem. Incentivo-os a colocarem neste blogue as imagens da ...apanha da fruta.... da cozinha....do descasque, do fogão, dos carinhosos "palavrões" da D. Cila a mandar-nos... ao açúcar. Temos que aproveitar esta onda. Não façam só tarjas, porque isso é o que tem menos impacto. Divulguem tão só aquilo que fazem, com prazer e .... vamos colher os frutos. Parece que estamos a mudar, vamos ver se é a realidade ou só um "suponhamos".

BRAVO!...a ESAV parece que está Viva!


Ontem foi mais um dia... e que dia, na ESAV. Toda a gente irritada, a trabalhar e bem. Olhem, se estivesse contentes?  D. Cila a descascar maçã bravo de esmolfe, também é só para o que dá. O Presidente a fazer doce de maçã, parece que não tem coisas importantes para fazer. Filmagens durante todo o dia, com actores também "irritados", é só ver o Courela. Parece o Chapitô.  Mas entretanto de manhã já havia sido publicado no Diário de Viseu, que a ESAV estava a monitorizar o rio Pavia. Um presente "envenenado". Estamos a monitorizar mas não somos os responsáveis pelos focos de infestação. Contudo, sairá muito em breve, um relatório completo de todo este processo durante o corrente ano, que nos ajudará a nós e à autarquia perceber a dinâmica que decorre no rio Pavia. Já não falando dos CETs, das tarjas e de toda a agitação que se vive. Agora vou comer o docinho de Maçã ao meu pequeno almoço. A todos os que tornaram possivel o dia de ontem, desde os apanhadores de maçã até à D. Cila e D. Teresa, passando por quem autorizou tudo isto...BRAVO! Esmolfe Sweet Amazing Viseu. Parece que na segunda-feira há novidades! "Une bonne semaine...Au revoir!"

MAKING OF...ESAV !


Esta publicação é reservada aos actores e actrizes do elenco "ESAV!...Save this name!". Só para terem a ideia do conjunto. As acções não estão sincronizadas. O Chinês é o último a entrar. A chamada não está na ordem. E as quadriculas estão sempre preenchidas com actores. Falar ao Mortágua para escolher uma música, que vai tocar durante o vídeo. Arranjar o Açoriano(a), que no fim dirá... eu vou à terceira e vocês!Vamos ter que fazer a filmagem por inteiro com cada um dos participantes. Será realizada na próxima sexta-feira dia 21 de Outubro pelas 9 horas.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Cada mensagem ... a seu dono!


Hoje foi um dia particularmente intenso na ESAV. Da parte da tarde fomos ao rio Pavia com os alunos, procurar uma resposta para a película acastanhada que se estende por uma parte significativa do espelho de água. Tratam-se de microalgas que encontraram as condições ideais no rio, que está a funcionar como um bioreactor, dada a temperatura elevada e a quantidade significativa de nutrientes, que permite uma taxa de crescimento muito elevada. Mais ao final da tarde fomos com um outro grupo de alunos para o campo de cardo proceder à retirada das infestantes, estando agora preparado para fazer a devida divulgação junto da comunicação social em termos técnico-científicos. Entretanto, um outro grupo de alunos, a pedido da associação de estudantes, foram colher maçãs bravo de esmolfe para amanhã fazerem um doce de maçã com a ajuda da D. Cila da cantina. Estou orgulhoso destes alunos, que mostram quando é preciso, o que na verdade valem. As pessoas têm que andar motivadas, têm que ter alguém que os motive, e têm que ter objectivos claros, passiveis de serem atingidos. Ao contrário do hino da claque leonina que diz, "Vocês são uma vergonha!", digo alto e a bom som... "Vocês são o nosso Orgulho!".  

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

"A Alfarrobeira... é uma árvore extraordinária!"


arvoresdeportugal.net

A crónica de hoje é uma resposta a um repto de um amigo, visitante assíduo do blogue, que me reencaminhou um link do Diário do Notícias, que apresenta um vídeo do Nuno da Câmara Pereira sobre a Alfarrobeira. Em relação à alfarrobeira, sinto-me como "peixe na água". É uma árvore pela qual tenho uma estima imensa e à qual me encontro "umbilicalmente" ligado. Fui o responsável pela caracterização das principais variedades de alfarrobeira de Portugal, enquanto tive mais directamente ligado à universidade do Algarve, mas mesmo em Viseu tenho continuado a acompanhar de perto este taxa, que é um exemplo de sustentabilidade, de tradição e de inovação. Hoje, estamos a iniciar um outro projecto com uma outra planta que, tem muito em comum com a alfarrobeira, o Cardo! Curiosamente, falei há poucos dias com um jornalista do Diário de Notícias, jornal que publicou esta noticia, para fazermos a divulgação de um campo de recursos genéticos do cardo que será um instrumento fundamental para a valorização desta planta. Estou a aguardar que me contacte para levarmos a efeito essa noticia, em que os meus alunos e os outros investigadores envolvidos, para além da APPACDM terão o papel de destaque. Mas hoje falemos de curiosidades da alfarrobeira, cujo nome científico é Ceratonia siliqua L. O carat, uma medida de peso com 0,200 g que serve para pesar metais preciosos, que deriva do peso médio das sementes de alfarroba. A designação inglesa de "Locust bean" ou "St. John Bread", deriva de uma confusão bíblica que São João Batista alimentava-se de gafanhotos (locust) e mel silvestre, quando provavelmente seria alfarroba e mel silvestre. Estas são apenas algumas curiosidades de uma árvore, notável no que tem a ver com a sustentabilidade ecológica de uma região, por prevenção da erosão dos solos e do risco de incêndio. Não nos podemos esquecer que os grandes incêndios no Algarve de há alguns anos pararam nas alfarrobeiras. A produção de biocombustíveis a partir da alfarroba, é uma questão de tempo, com a grande mais valia de não se estar a degradar o solo para a sua produção, como acontece com outras culturas intensivas. Em relação à cosmética, farmacêutica tem aplicações muito diversificadas. Hoje,  planta-se intensamente no Alentejo e simultaneamente a fazer a reconversão de muitos pomares, com a intervenção de um exímio enxertador e viveirista de alfarrobeiras, o Sr. Cabrita, da região de Algoz. Muito brevemente terei de lhe dar um abraço e ver as novidades que anda a criar, proque existe uma respeito mútuo de reconhecimento de algum (pouco) trabalho que se tem feito. Aproveito para dar um abraço aos meus amigos Sr. Caetano, apelidado carinhosamente por Mr. Carob (Sr. Alfarroba), das pessoas no mundo que mais sabem sobre a alfarrobeira e ao Eng. José Manuel Graça, vice-presidente da autarquia de Loulé que me inciou nestas lides da alfarroba. Alfarroba.... sempre! Caso queiram saber mais sobre alfarrobeira é só pedir...

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Cada um é definido pela sua Ecologia!

Os meus dias de... férias!


Ontem na "festança da ESAV" aproveitei para trocar algumas palavras com alguns dos ilustres visitantes.  Antigos alunos e alguns Presidentes. Numa das conversas com um dos Presidentes de uma escola Secundária da Cidade, perguntei-lhe qual era a razão do sucesso da sua escola. Respondeu-me, os dias de férias, tinha tido quatro! Fiz uma correlação e uma regra de três simples e tirei as minhas conclusões. Mas para fundamentar a o estudo tenho que aplicar a BIOestatística. Em breve apresentarei os resultados.

ESAM retribui agradecimentos a várias instituições da região...incluindo a ESAV!


A cura para o insucesso Secundária que é um viveiro de médicos vive do trabalho, boas condições e estabilidade Por:Tiago Virgílio Pereira  Há uma escola pública em Viseu que, ano após ano, surpreende o País pelo elevado número de estudantes que coloca em Medicina. O ano passado foram 27 e agora 32, "apesar de não andar obcecada em colocar alunos", como destaca o director, Adelino Azevedo Pinto. Mas o certo é que alunos e professores já trabalham para bater o recorde. A Escola Secundária Alves Martins (ESAM), no coração da terra de Viriato, é um caso de sucesso. Contudo, depois destes resultados, o estabelecimento onde o ensino liceal foi instituído há 162 anos é visto com um misto de admiração e desconfiança. Mas o director dissipa as dúvidas: "Aqui não há qualquer tipo de favorecimento nas notas, há uma aposta na valorização do ensino público, tantas vezes criticado, e total confiança no bom desempenho de professores e alunos". Quando se entra na ESAM, a tranquilidade, o conforto e a seriedade são características que saltam à vista. Tem 56 turmas, 10 da área científica, e 183 professores – a maioria com 20 anos de casa – e o orçamento anual ronda os cinco milhões de euros. Apesar de serem 1600 alunos, de condições sociais distintas, uma das apostas é garantir a igualdade: têm as mesmas condições de ensino e oportunidades. "Nunca ouvi um aluno queixar-se por ter sido alvo de injustiças por parte do professor devido à sua condição social", conta Sofia Lourenço, 18 anos, que entrou na Faculdade de Medicina de Coimbra com média de 18,43 valores. A maioria dos alunos está mentalizada para as responsabilidades educativas. E já fez cair por terra a ideia de que uma escola do Interior do País, numa região desertificada, não reúne as condições para triunfar. João Dias concluiu este ano a área de ciências e tecnologias com média de 18,72 valores. O jovem viseense, que entrou na Faculdade de Medicina do Porto, não tem dúvidas: "O excelente ensino por parte dos professores aliado à boa preparação dos alunos é a base do sucesso". Uma opinião partilhada por João Penela, 18 anos, que entrou na Faculdade de Medicina de Coimbra com 19, 3 valores. Este jovem destaca o bom ambiente vivido na comunidade escolar. "Aqui somos tratados como adultos e não somos gozados pelas notas que tiramos. Toda a gente se dá bem e há uma relação de cumplicidade com os professores".
EXPLICAÇÕESA grande maioria daqueles que entraram em Medicina recorreu a centros de explicações. Português, Físico-Química e Matemática (aquela que mais assusta) são as disciplinas que requerem maior volume de horas de estudo. Os alunos dizem que ficam com outra visão da matéria e ganham hábitos de estudo. Mas, para se obter uma média acima dos 18 valores, têm de ter excelentes resultados a todas as disciplinas.Fernanda Dias é docente na ESAM há 12 anos e defende que "a Matemática tem de ser dada com alegria". A professora não hesitou em dar nota 20 a Miguel Saraiva, o melhor aluno do ano lectivo 2010/2011, que acabou com média de 19,6 valores. "É um aluno com excelentes capacidades intelectuais. Trabalhador e muito sociável, sempre disposto a ajudar os colegas com mais dificuldades". PARCERIASPara Fernanda Dias, a base do sucesso da ESAM é a motivação dos alunos, "muito interventivos e interessados em colocar questões e, após o trabalho desenvolvido nas aulas, continuam com o estudo individual em casa". A coordenadora do grupo de Biologia e Geologia, Fátima Pino, na escola há oito anos, diz que "a aposta no trabalho prático e as parcerias com instituições do ensino superior são o melhor que a escola tem". A docente destaca também o trabalho colaborativo dos 20 colegas que leccionam as disciplinas, as planificações semanais, a partilha de conhecimentos e a valorização do trabalho e da experiência dos mais velhos como factores que não podem ser menosprezados. REQUALIFICAÇÃOComo exemplo desta dinâmica, refira-se que a escola está a desenvolver trabalhos de investigação entre alunos e professores, em parceira com a Escola Superior Agrária de Viseu, "um intercâmbio que tem sido excelente", diz Fátima Pino."Este é o ano zero da ESAM", afirma o director, Adelino Azevedo Pinto. A escola recebeu obras de requalificação no âmbito dos projectos da Parque Escolar, que duraram 15 meses e terminaram no ano lectivo passado. O investimento, de 13 milhões de euros, dotou-a de melhores condições físicas. "Faltava à escola mais e melhor equipamento para proporcionar condições ideais para alunos e professores. A escola está um encanto e isso deve-se à boa intervenção da Parque Escolar", considera. A zona laboratorial, por exemplo, faz lembrar os laboratórios das séries da televisão, que inspiram confiança. Adelino Azevedo Pinto destaca: "Temos instalações com qualidade semelhante às do ensino superior e isso é uma forte motivação para os alunos, que sentem que o seu futuro está a ser criteriosamente projectado". Quem utiliza com frequência estas instalações é Ana Pinheiro, professora de Físico-Química A, contratada há três anos e que "adora a escola". "O trabalho que desenvolvo junto dos professores efectivos é muito gratificante para mim. Em conjunto debatemos ideias e conteúdos essenciais da matéria. Os mais velhos apoiam-me e preocupam-se com o meu sucesso profissional. Este trabalho de equipa, sério e equilibrado, é um factor extremamente importante".
BIBLIOTECAA biblioteca também foi objecto de melhoramentos e, equipada com manuais de qualidade, constitui uma das grandes mais-valias da instituição. O espaço amplo e ao mesmo tempo acolhedor não afasta os alunos, que aproveitam para trocar impressões, estudar e ter aulas de apoio. "Ambicionávamos uma biblioteca digna de uma escola secundária com valor, e conseguimos", destaca o director do estabelecimento. A moçambicana Salma Lourenço, de 17 anos, chegou em Janeiro para frequentar o 10º ano e, devido às diferenças escolares entre os dois países, para uma melhor e rápida adaptação, frequenta regularmente as aulas de apoio. "Quando cheguei tive muitas dificuldades, mas os professores ajudaram-me". Marta Costa, que lhe dá aulas de apoio, especialista nas áreas de Filosofia e Psicologia, considera que "todos os alunos querem vir para a ESAM, pela boa relação entre professor e aluno". A organização cuidada e o espírito aberto da direcção são outras chaves do sucesso apontadas pela docente. As salas estão equipadas com projector de vídeo, quadro interactivo e internet. Em todo o edifício há wireless. O horário escolar é pensado para não sobrecarregar os alunos . Os do 12º ano só têm aulas de manhã. Quarta-feira à tarde não há aulas. O tempo é ocupado com actividades extracurriculares desenvolvidas na escola. No exterior, os equipamentos reúnem todas as condições para a prática do desporto. "Ainda se vai ouvir falar muito do desporto da escola", promete o director. OUTRA OPÇÃOEste ano entraram 32 alunos em Medicina, mas podiam ter sido 39. Na verdade, sete alunos optaram por cursos como Engenharia Informática, Aeronáutica, Ciências Farmacêuticas ou Biologia, como foi o caso de Daniela Romão. A jovem terminou o Secundário com média de 18,5 valores, mas na altura de se candidatar a uma vaga no ensino superior pensou melhor e decidiu: "Não quero Medicina, quero Biologia!". "É uma área que me atrai muito mais, quer pela dinâmica, quer pela constante evolução", explica. Nos últimos três anos, o que mais agradou a Daniela Romão foi o facto de a escola "estar sempre a integrar novos projectos e com isso os alunos adquirem outras aptidões".
ARQUITECTURAA área de artes visuais também tem um papel preponderante na ESAM. Nos últimos dois anos, 28 alunos entraram no curso de Arquitectura. "A média de entrada neste curso é bastante alta e, muitas vezes, estes alunos são injustamente esquecidos", destaca Adelino Azevedo Pinto. Os ‘artistas’ da ESAM "criam dinâmicas que cativam todos os outros alunos", explica, por seu lado, Rui Fonseca, professor da disciplina de Oficina de Artes. Para o docente, "o ambiente, a polivalência e a possibilidade de oferecer as melhores condições aos alunos" são a trilogia de sucesso da escola. Muitas vezes rejeitados pela rebeldia e irreverência próprias de um aluno de artes, na Escola Secundária Alves Martins "o grupo das artes é muito bem visto e respeitado por todos".
ESTRATÉGIASAdelino Azevedo Pinto é o responsável máximo da instituição há oito anos. Licenciado em Belas Artes pela Universidade de Coimbra, é uma das pessoas mais acarinhadas da escola, embora recuse identificar-se com o mérito que toda a comunidade escolar lhe reconhece. Espírito aberto, comunicador e atento aos problemas de todos os funcionários são alguns dos adjectivos mais ouvidos. Rege a sua missão pelas linhas orientadoras do projecto educativo da escola, que passam por proporcionar aos alunos um clima de aprendizagem acolhedor, adequar estratégias de ensino às necessidades dos alunos, promover estratégias de inclusão de todos os alunos, implicar os pais e encarregados de educação no acompanhamento das aprendizagens e consciencializar os estudantes para os seus direitos e responsabilidades. O nosso País atravessa uma crise de confiança, mas deve confiar nos jovens alunos de hoje mais do que nunca. "Fico muito desapontado quando criticam esta geração. Estes jovens são fantásticos e a eles se deve todo o sucesso", enfatiza o director. "A escola acima de tudo é deles".E para provar a versatilidade do estabelecimento de ensino, cinco alunos do 12º querem bater o recorde mundial da "Fórmula 1 nas Escolas". "O objectivo é fazer com que o carro percorra uma distância de 20 metros no menor tempo possível e nós temos capacidade para ser os melhores", afirma João Neto, um dos envolvidos no projecto.
ACTIVIDADESA equipa está a preparar-se com todo o empenho para atingir três objectivos: apresentar um portefólio e o stand, desenvolver conhecimentos na área da Engenharia e preparar a corrida. Há uma parceria com a Escola Superior de Tecnologia de Viseu para realizar os testes aerodinâmicos. Campeões do Mundo ou não, o certo é que já têm o carro e a experiência que poderá ser útil num futuro próximo. Noutra área bem diferente, a ESAM e a Associação Cultural e Recreativa de Tondela (ACERT) vão juntar esforços para potenciar a cultura. "A escola como o teatro é um acto de paixão", constata José Rui, director da ACERT, adiantando que "o interlocutor é já um agente de excelente actividade cultural". Adelino Azevedo Pinto apelida o acordo entre as duas entidades de "casamento perfeito", em que o estabelecimento de ensino "se torna um espaço de apresentação artística"."Iniciativas como estas não colocam alunos em Medicina, mas ajudam", diz o director da escola. Uma evidência que estudantes, professores e auxiliares da Escola Secundária Alves Martins decidiram pôr em prática com sucesso.  http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/outros/domingo/a-cura-para-o-insucesso

Parabéns ao docentes da ESAV que têm colaborado com a ESAM. Devemos continuar a incentivar estas colaborações como outras com outras Escolas Secundárias de referência da região, como a Viriato e a Emídio Navarro, bem como com todas as outras dos concelhos circunvizinhos.

Ontem Houve festa na ESAV! Adivinhem quem veio para jantar.... e quem não veio?

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A ESAV Fechou!... A guerra começou e já andam aos tiros!

adventureswithdan.com


Hoje a ESAV está fechada, para uma inciativa de Paintball organizada pela Associação de Estudantes. Tenham cuidado com algum "tirinho perdido" porque as balas que sobem também descem. E a propósito vejam lá se não queimam o relvado com a gordura do pigmento. Se nos tivéssemos lembrado podiamos ter feito uma "tomatina" com os tomates do campo do cardo. Fica para o ano se... cá tivermos...os tomates!

domingo, 9 de outubro de 2011

Já comeram a sopa hoje? e o TED talk?

http://www.ted.com/talks/adora_svitak.html
Aprendam a aprender com as crianças.

Poupar... é o melhor remédio!

http://aeiou.expresso.pt/ha-publicidade-que-vale-mesmo-a-pena-ver=f658218

Temos que poupar? Então temos que usar a cabeça, mas primeiro temos que tirar o chapéu....a esta ideia.

A ESAV, provavelmente um dos melhores lugares para trabalhar...no mundo!

workitecture.blogspot.com
O nosso desafio poderia ser tornar a ESAV um dos melhores lugares para trabalhar… no mundo. Olhando para o ateliê do Arquitecto Selgas Cano, assim considerado, situado num bosque nos arredores de Madrid, poderíamos dizer que o objectivo nem seria muito difícil. Eu acompanhei de perto o almejado projecto da ESAV, um projecto no qual se gastou o dinheiro e se perdeu a dinâmica. A Cantina, foi mais um tiro ao lado. A garagem, agora laboratório, até me faz lembrar a tragédia Grega. Se não nos colocamos desafios vamo-nos apagando. Desafios sustentáveis e exequíveis. Como? Aproveitem as oportunidades, não se deixem dormir e andem de olhos bem abertos. Afinal, ao nossos empreendedores de serviço, quando entram para o sector público parece que perdem a dinâmica e que já estão na reforma.

Faleceu o padre... que trocou a batina pela bata!


http://www.publico.pt/Sociedade/o-padre-que-vestiu-a-bata-de-laboratorio_1515566

O padre Luís Archer morreu neste sábado. O jesuíta tinha 85 anos e foi o pioneiro no estudo da genética molecular em Portugal. Ficou contrariado quando lhe pediram que se tornasse cientista. Tive o prazer de o ter conhecido pessoalmente e convivido por diversas vezes, numa altura em que a genética molecular dava os primeiros passos. Aqui deixo o meu lamento pelo seu desaparecimento. O link do público refere-se a uma entrevista sua dada em 2006. 

ESAV reinventa ....a Maçã... Bravo!


Na sexta-feira, ao final da tarde, depois de tirar as infestantes do campo do cardo, fui apanhar maçãs ao pomar de macieiras da Quinta da Alagoa. Há um ano, falamos neste espaço de, como poderíamos reverter o problema das maçãs, para uma vantagem e como daí tirar frutos. Não vale a pena gastarmos o nosso latim. Nos Estados Unidos, existiam mais de 7000 variedades de maçã, e a grande maioria tinha nome de família. Porquê? Porque para dar nome a uma variedade atribuíam o que de mais nobre as pessoas tinham, o seu nome de família. A ESAV, segue a mesma linha. Cria linhas de produtos, como maçã “reineta” secada, doce de maçã bravo de esmolfe, maçã “natura”, cidra, e coloca o melhor que tem… e que andamos todos à procura. Tal como o criador, até podíamos dizer que na ESAV a maçã é de aDão, e após a morte do Steve Jobs, a ESAV reinventa o papel da maçã. Mas isto dá trabalho, e hoje é Domingo. Bom fim de semana. A propósito perguntem à D. Cila, se ela pode fazer o doce na cantina e ainda se se pode usar a estufa de vidro para secar a maçã.

Que "Rico" Estado desta Cultura !


Francisco José Viegas disse ontem em entrevista na SIC Notícias que a Secretaria de Estado da Cultura quer "consumir menos recursos". (Perfeito!) O secretário de Estado conta até ao final da legislatura "mapear a paisagem cultural do país". "Estamos a definir o que é património material e imaterial". (Ainda não está feito? Deve ser dificil!)  Nos museus, avançou, só 36% dos museus nacionais geram receitas e seria necessário chegar aos 80% para que as instituições fossem "mais autónomas e sustentáveis". Deverão, por isso, reservar um dia por mês para as entradas gratuitas (hoje todos os domingos são de entrada livre). Devem estar à espera que continuem a ir as mesmas pessoas que vão hoje ao domingo de manhã aos Museus, as mesmas que têm que pagar SCUTS para se delocarem aos museus, que tenham que almoçar fora com a família nesse dia, e que comprem uma lembrança no museu. Cada um contribui com o que pode, e no caso da cultura são "tostões", não é  o "Moedas". Daqui a um ano, ou menos, estaremos cá para avaliar a medida.




sábado, 8 de outubro de 2011

Gostam de sopa?... e de Ecologia?


mundoecologico.es
Este é um tema que serve de inspiração para explicar o mau desempenho de todos os cursos de ecologia, independentemente de ser em universidades ou em politécnicos. Provalmente, tal como a sopa, só a começamos a apreciar a partir de uma certa altura da vida. Curioso, é ver o desempenho nos maiores de 23 anos. No próximo ano teremos que apostar muito a sério nesta estratégia, para podermos seleccionar vocações. Vamos desenvolver um plano estratégico sério e profundo, se nos deixarem. Os alunos do percurso secundário normal, ou têm vocação e sensibilidade ecológica, ou dificilmente se aprende. A crise se continuar poderá forçar-nos a termos que mudar mentalidades. Brevemente desenvolvo esta temática.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Não precisamos de ser verdes por já somos E&P (Ecologia e Paisagismo)


umaquestaodeconceitos.blogspot.com
Crónica a publicar brevemente

Cinema...Paraíso! ...em Viseu!



A produtora "a Noite" com sede em São Paulo, vai lançar uma série de vídeos promocionais do curso de Ecologia e Paisagismo da Escola Superior Agrária de Viseu, com vista a preencher as vagas que ainda estão a concurso para a 3ª fase do Concurso de Acesso ao Ensino Superior. Este primeiro baseia-se numa analogia com o "Cinema Paraíso". Um próximo será baseado num "Casting" para alunos de Ecologia e Paisagismo sob o lema "Vamos encher as vagas deste curso, nem que para isso tenhamos que chamar um Chinês!". Um outro ainda "À Terceira é de vez" com a participação do nosso Açoriano..."ESAV, SAVE this name!". "Se tens idade AGE!", "Este curso é MEO"...

Para quem não sabe, a obra-prima "Cinema Paraíso" do realizador Giuseppe Tornatore é um olhar nostálgico sobre a vida de um jovem na Itália do pós-guerra e o seu fascínio pelo cinema, tendo vencido o Oscar para o Melhor Filme Estrangeiro e o Grande Prémio do Júri do Festival de Cannes. 'Alfredo está a morrer'. Esta notícia surpreendeu o realizador de sucesso Salvatore (Jacques Perrin), levando-o a relembrar a sua infância e o tempo que passou na sala de projecção do cinema da sua vila, Cinema Paraíso. Alfredo (Philippe Noiret), proprietário do cinema e projeccionista, foi um amigo inseparável do pequeno Salvatore, conhecido por 'Toto', à medida que este crescia na sua terra natal, uma vila devastada pelos horrores da guerra. O cinema oferecia fantasia e evasão ao habitantes da pequena vila, fazendo esquecer a dura realidade da fome e da pobreza. Cinema Paraíso é um filme inesquecível e um maravilhoso tributo ao cinema que marcou uma geração inteira de espectadores.



Não "Tugiram" nem "Mugiram"!


elitarioparatodos.blogspot.com
Esta crónica não é uma provocação se quer um lamento. É apenas uma nota de rodapé acerca dos canais a "não usar". Entendi não usar canais privilegiados para fazer chegar o assunto ao Exm.º Sr. Secretário de Estado e fazê-lo pela forma mais natural. Um mail para o seu chefe de Gabinete e para o seu mail pessoal do PSD. Compreendo que o trabalho será muito atendendo a que se está a preparar o orçamento de estado, mas considero que pelo menos um mail, ainda que automático, a dizer que "o seu assunto será avaliado e no mais breve espaço de tempo terá uma resposta". Aqui deixo o mail só para ficar registado na "nuvem".

Caro Exm.º Secretário de Estado Dr. Almeida Henriques,

Antes de mais gostaria de desejar-lhe os maiores sucessos no desempenho das novas funções.
Tomei a iniciativa de o contactar, ainda que indirectamente (espero que este mail lhe possa chegar às mãos) não por uma questão de favorecimento pessoal, mas por um sinal de apoio e incentivo para alunos da Escola Superior Agrária de Viseu que, tão bem se portaram no concurso nacional Poliempreende com um projecto denominado Biopellets.
Um pouco de história sobre este projecto foi vencedor em dois concursos na zona centro e a nível nacional quedou-se fora do pódium. Os alunos com alguma verba amealhada já registaram o nome e querem levar por diante este projecto.
Este é um projecto com interesse na preservação e valorização da paisagem da Beira, um pouco na lógica que a defesa dos nossos produtos endógenos, de que o queijo Serra da Estrela é o exemplo maior, ajudam a valorizar a paisagem, bem como a obtenção de formas de energia assentes nos matos e na produção agro-florestal, também ajudam a prevenir incêndios e a valorizar a paisagem, com a grande vantagem de reduzir de forma significativa a pegada do carbono. Isto parece filosofia barata, mas acredito que possa constituir uma forma inteligente de dinamizar algum do mundo rural. São alunos que residem no mundo rural e é lá que querem permanecer, após concluírem a formação académica e promover o seu desenvolvimento criando emprego, não demasiadamente qualificado para as gentes que habitam nesse mundo. Caso V. Ex.ª entenda que, possa haver um programa que os possa ajudar a consolidar este projecto, seguramente que da parte deles seria bem-vindo. Independentemente disso eles continuarão a trabalhar em prol dos seus ideais.


Respeitosamente


Paulo Barracosa

Este artigo foi publicado num blogue.