quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Os bastidores de um evento na...Escola Agárica...

Eu gosto de dar atenção aos erros ou gralhas e o jogar com as letras das palavras que muitas vezes suscitam novas ideias e títulos. O Jornal do Centro fez referência ao 11º encontro de cogumelos na ESAV, referindo tratar-se da Escola Agrárica. Ao ler suscitou-me de imediato o termo de Escola Agárica numa clara alusão aos cogumelos e que faz título desta crónica. Este foi mais um evento de êxito desenvolvido pela associação de estudantes e coordenado pelo meu colega José Manuel Costa em estreita colaboração com o Luis Gonçalves, onde estiveram presentes as forças vivas do IPV e da própria autarquia. Voltaram velhos alunos, seniores, mas também muitos dos de hoje e em especial dos CET e das licenciaturas o que me deixou muito agradado. Mas um evento desta magnitude, exige muito dos alunos e funcionários que colaboraram ativamente nos bastidores e para todos eles o meu reconhecimento público, pelo empenho, esforço e dedicação muitas vezes não devidamente reconhecidos. A ESAV deve ser uma escola de vida e esta realização tem cumprido a sua função desde há mais de uma década. As imagens ficam para a posteridade e...o meu obrigado também!
 





quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Pink Star...

 
"Um diamante rosa, de 59,6 quilates, foi vendido nesta quinta-feira num leilão, em Genebra, por 55,1 milhões de euros, tornando-se no mais caro alguma vez leiloado, revelou a Sotheby’s.
O comprador terá que desembolsar um total de 62,3 milhões de euros, por causa de impostos e comissões do leilão.
A pedra preciosa, de forma oval e com uma coloração rosa intenso, foi o centro das atenções no leilão de outono da Sotheby’s, no qual estiveram presentes cerca de 250 pessoas."
 
Estamos a fazer a caracterização da biodiversidade do cardo, e já fizemos a caracterização da alfarrobeira. Existe uma ligação curiosa porque há pouco tempo associamos o cardo com o quartzo ametista, uma pedra em tempos mais valiosa que o próprio diamante e a sementes da alfarroba é responsável pelo peso do quilate (200 mg) unidade de peso do diamante. Coincidências... a semente de alfarroba mais pesada que alguma vez vi pesava 0,362 mg. As sementes do cardo pesam cerca de 50 mg. um quarto do quilate (carate).
 
 
 

A Volúpia de Aromas....by Arbutus do Demo



O Parque Botânico Arbutus do Demo, em Vila Nova de Paiva, irá receber o XI Encontro Micológico da ESAV, no próximo dia 15 de Novembro, sexta-feira, pelas 10h00.
 
Sabe o que é uma Amanita muscaria? Qual a diversidade de espécies micológicas existentes no Parque Botânico Arbutus do Demo? Sabia que os cogumelos são fungos? Nunca viu um Lactarius deliciosus? Estas são algumas das muitas perguntas que puderão ter resposta ao longo do percurso micológico dedicado à diversidade micológica, onde os sentidos estarão em permanente alerta na busca pelos indícios dos habitantes mais antigos do território de Vila Nova de Paiva.
 
Décimo primeiro encontro à volta dos cogumelos, um convívio saudável e uma forma diferente de abordar a ciência, a natureza e o respeito pelos seus recursos

O Arbutus encantado do Esquilo Desconfiado…by Alexandra Campos


"Era uma vez… há muitos, muitos anos atrás, havia um parque encantado que tinha árvores muito altas e antigas e mesmo no seu centro havia um lago mágico, rodeado de flores coloridas.

Perto dos rochedos existia uma pequena aldeia chamada: “A Aldeia dos Cogumelos”, onde viviam muitos duendes, muitos animais, muitas fadas, muitos elfos, muitas flores… inclusive um duende muito meigo, esperto, atencioso, muito brincalhão, era muito pequenino mas sabia como ajudar os seus amigos. Chamava-se Nico, vivia num tronco de um carvalho.

 Neste parque vivia o esquilo Anacleto. Ele gostava muito de pregar partidas aos amigos. Numa manhã, quando acordou, saiu da sua toca, olhou para o céu azul e calmo, respirou os perfumes da natureza, suspirou, sorriu e pensou: ”Mas que dia lindo! Apetece-me ir pregar uma partida ao doutor caracol Casquinhas.” Foi mesmo isso que ele fez. Subiu ao ramo de um castanheiro e quando viu que o doutor caracol Casquinhas ia a passar, para ir atender a toupeira Dentolas que estava doente, atirou-lhe com uma batata cheia de formigas. Com tanta formiga o doutor caracol Casquinhas ficou cheio de cócegas, começou a rir e não conseguia parar. Então foi pedir ajuda ao duende Nico. Pelo caminho todos os animais faziam troça dele, riam-se e o Casquinhas não conseguia parar de rir. Quando o duende Nico o viu ajudou-o a tirar todas as formigas.

 Os dois pensaram que deviam pregar também uma partida ao esquilo Anacleto. Como o Nico tinha muitos pós, resolveram dar-lhe um pó mágico que fizesse com que ele não parasse de espirrar. Disseram-lhe que aquele pó fazia o pêlo ficar brilhante. Como o esquilo Anacleto era muito vaidoso, acreditou e aceitou o pó. Foi logo pô-lo mas, de repente, começou a espirrar. Foi para a rua, foi para o café do Sr. toupeira Bigodes, foi para todo o lado mas não conseguia parar de espirrar. Passado algum tempo o duende Nico e o doutor caracol Casquinhas, já com pena dele, deram-lhe um pó que fez com que ele voltasse ao normal.

No final riram muito mas continuaram amigos e a pregar partidas uns aos outros.

E a vida continuou calma e alegre para todos naquele parque encantado…"

 

Alexandra Campos

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Há sinais que interessam...

Os sinais do Fernando Alves são um dos motes de inspiração. Curiosamente, alterei rotinas de entrada na ESAV passando a entrar mais cedo e com isso deixei de ouvir tão assiduamente os sinais na TSF. Mas sempre que posso ouço as crónicas, ditas com os tempos e os ecos do Fernando que me deixam a pensar. Esta série está a ser transmitida de Natal, no Brasil e ele fez referência ao Queijo Serra da Estrela e do estudo de uma brasileira, Adriana Lucena à volta deste ícone. Vamos seguir este impulso e contactar esta advogada, cozinheira de vocação que estudou 4 anos o queijo Serra da Estrela. Depois contamos....


http://www.tsf.pt/Programas/programa.aspx?content_id=903681&audio_id=3526155

A Avenida dos Liquidambares by PM com os GNReininho em fundo...

video

Apresentamos aqui o filme realizado pelo Paulo Medeiros sobre a publicação Liquidâmbar da Biblioteca das árvores, onde a Maria é protagonista. Recordo com saudade as "criadoras de magia" que trabalhavam no Moinho da Carvalha Gorda. A escolha da música dos GNR é apenas um pormenor de exceção, fruto da perspicácia do autor. Na altura não havia Marcelo Rebelo de Sousa, porque acredito que passaríamos na TVI...mas não em rodapé...

Um Pretexto para revelar o nosso primeiro livro...da série biblioteca das árvores!





No momento em que estamos a iniciar o processo de criação de mais uma publicação, neste caso relacionada com aspetos culturais e técnico-científicos de uma árvore, o mostajeiro (Sorbus latifolia), mostramos algumas imagens de uma anterior publicação nossa, sobre o Liquidâmbar, que foi dos projetos sonhados e concretizados que mais gozo nos deu. Nessa altura tinhamos uma ligação forte com o moinho da carvalha gorda, da Ana Martins que nos permitia pôr tudo em papel de algodão, folhas, sementes, flores, plantas,...Esta publicação era "bilingue", com uma versão mais técnico-científica e uma outra dedicada às crinaças com uma história infantil escrita pela Sílvia Costa. O curioso é que tudo estava no mesmo livro embora em faces diferentes, uma habilidade do nosso designer Paulo Medeiros, o que permitia que o mesmo livro fosse lido por pais e filhos em simultâneo. As fotos magistrais foram do meu cunhado Alexandre Pinto, que coloca grande rigor e perfeição nas tarefas em se mete.  A história acabava com as sementes numa folha de papel de algodão que poderiam ser germinadas e fazerem continuar esta história. A publicação foi apoiada pela livraria Pretetxo, localizada então no fórum de Viseu e a obra esgotou sem mais nenhuma reedição. Fortuna daqueles que possuem um exemplar...único e irrepetível, pois todos tinham uma capa distinta, porque foram feitos com folhas diferentes e todos tinham um fruto e sementes diferentes. Esta publicação teve uma série de histórias associadas que irei contando ao longo das próximas crónicas...e um filme que relata todo o processo que envolveu escolas dos vários níveis de ensino.

domingo, 10 de novembro de 2013

Lançamento do Projeto Mostajeiro...em Livro!

O Dr.º Alberto Correia não se importará que eu divulgue um mail pessoal em resposta ao repto que lhe lancei. Iremos propor à autarquia de Viseu a publicação de um livro sobre o Mostajeiro, com uma componente cultural, liderada pelo próprio Dr.º Alberto Correia, o design gráfico pela mão do Paulo Medeiros e a componente técnico-científica com o apoio dos docentes da ESAV e não só. Caso a autarquia não entenda o projeto seguiremos por meios próprios... 

"Paulo, como eu gostei de ler este seu fantástico texto à volta do "mostajeiro"!... Gostava que muita gente o lesse para conhecer as virtualidades desta árvore, afinal de nossa Mãe Natureza que agora ás vezes se irrita com as atrocidades dos homens. E estou-me a lembrar das Filipinas.
Mais que o doce apetitoso, como o que acompanhou o seu pequeno almoço, talvez nesta manhã de Domingo, espero esse livrinho em bom papel, com boas fotos e excelente informação que trará.
Para mim o mostajeiro é ainda árvore quase mítica porque só me lembro de um, da minha primeira infância, na aldeia e é dele o sabor dos frutos que ainda guardo. Desapareceu magicamente.
Depois é o mostajeiro do Garrafão Saraiva, nos Cinco Réis de Gente, de Aquilino, onde ele, talvez com os outros rapazes, não deixavam pintar bago.
Havia um, na Soutosa, talvez o inspirador, e também desapareceu. Julgo que dele, como Aquilino, ainda provei os frutos.
Descobri agora os de Viseu pelo seu lindo texto que desejo, leve longe o seu sonhado projecto."

MostaJAM...second edition...uma história com principio, meio e fim...ao pequeno-almoço

Aqui está um "projeto caseiro", baseado nalgumas inspirações que dão desde a Quinta da Maúnça, Aquilino Ribeiro até a anciãs da zona de Almeida e que podem conduzir a um projeto mais de índole social, cultural, científico e comercial. Propagar e produzir mostajeiros, avaliar os seus benefícios e limitações sob ponto de vista de antioxidantes e compostos cianogénicos e apreciar a qualidade ímpar de um doce em grande medida desconhecido, associando tudo isto à escrita do mestre Aquilino Ribeiro,... um projeto de "mão cheia". Mas este "projeto" nasceu de um mostajeiro que foi abatido na entrada da Escola Superior Agrária por incompetência e inabilidade da antiga vereação da Câmara Municipal de Viseu, no que concerne à gestão desta questão, tantas vezes por mim aludida. Mas isso faz parte da história. Estes doces são hoje produzidos por árvores plantadas pela autarquia, num outro local da cidade que, apesar de fazer um esforço enorme na plantação de um número elevado de árvores, não sabe muitas vezes encontrar formas de valorizar as suas próprias árvores e apelar aos seus cidadãos que ajudem a preservar e valorizar este seu rico e vasto património arbóreo. Esta ideia encerra por isso uma mensagem simples mas acutilante de que existem muitas vias de valorizar o património arbóreo de uma cidade. Fazer fichas taxonómicas, colocar placas de identificação, fazer roteiros, mas também elaborar produtos transformados e processados a partir da madeira, frutos, folhas, que "nos fiquem no goto"... Depois temos a possibilidade de podermos estudar essas árvores sob diversos pontos de vista e interesses, em relação às questões ecológicas, preservação ambiental, combate à poluição, mas também quanto ao interesse nutricional e também as questões biomecânicas relativas à sua segurança. Um dia destes farei uma pequena publicação sobre esta árvore e estas histórias que a torne um exemplo de como poderemos escolher as árvores a colocar junto às nossas escolas, casas e bairros, criando laços de afetos e relações de utilidade para com as árvores, que não sejam apenas as questões estéticas. Sobre isso haveria uma outra história sobre um Liquidâmbar no Fontelo, que não conto aqui por uma questão de educação que mostra muito da massa de que alguns dos que nos governam são feitos, onde não entra sensibilidade, mas apenas números e  gente. No caso do mostajeiro, estas bagas caindo no chão sujam todo o passeio e que se forem recolhidos em devido tempo e com regras torna-se uma forma vantajosa de valorizarmos ainda mais este património arbóreo e evitar custos com a limpeza e as queixas da população. Muito mais haveria a dizer mas deixarei isso para uma publicação que conte esta história como um exemplo a ser replicado noutros casos. O próximo passo será os meus colegas de Qualidade e Nutrição Alimentar da Escola Superior Agrária de Viseu  realizarem, com os alunos de mestrado e outros, ensaios de avaliação destes frutos em antioxidantes e outros compostos de interesse nutricional. Para lhes adoçar a boca irei oferecer um dos frascos de MostaJAM para ser mais fácil convence-los...estou a brincar porque já os convenci. Desde já o agradecimento à Doutora Edite e ao Doutor Fernando Gonçalves que responderam de imediato ao repto e a oferenda serve de prova...de agradecimento. Agora ficam mais uma fotos desta segunda edição que vos digo...ficou ainda melhor que a primeira. O meu pequeno-almoço foi doce...adivinhem de quê?... preparado pelas minhas meninas!
 










 

sábado, 9 de novembro de 2013

Estudar a Biodiversidade do Cardo no Laboratório de Recursos Genéticos...




Estamos a ensaiar os vários ecótipos em relação a diversos tipos de stresses e tentar perceber melhor como se adapta e cria resistências a diferentes situações que estamos a provocar...

Mostajos...Frutos Duo



Quando preparei os mostajos para a primeira edição do doce MostaJAM, verifiquei a existência de alguns frutos "duo". Agora que iniciamos a segunda edição do doce, porque a primeira já esgotou, voltei a encontrar, frutos duo com mais de 2g mas não tão perfeitos como os primeiros que vi.

A Coleção Flowers...entrou no circuito comercial...




http://www.paulomedeiros.eu/flower.HTML

O artista Paulo Medeiros fez entrar a coleção flowers no circuito comercial. Aqueles que estiverem interessados nalgumas das obras, aparentemente  relacionadas com as flores de cardo, podem entrar em contacto direto com o Paulo Medeiros... e digam que vão da parte do Biogere /CARDOP...pode ser que ele faça uma atenção...

Um conceito inovador que pode aumentar o "Share"..... e fomentar a partilha e um dia... talvez a fusão...by PM



http://www.paulomedeiros.eu/partilhar.htm

O artista plástico Paulo Medeiros, nunca nos deixa de surpreender com a obra e os conceitos que lança. Neste caso é um conceito de partilha de arte que pode conduzir até a formas inovadoras de comercialização, sendo que o objetivo primário, acredito que, seja promover o contacto da pessoas e a discussão e análise crítica da obra, sendo que a fusão última pode ou não acontecer. Eu vou emoldurar a minha metade deixando espaço para que um dia, talvez no futuro...junte as partes.

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Os sementes de cardo começam a "eclodir" na viriato, fruto da Simbiose


Hoje, dia 12 de novembro já são mais os cardos germinados... vamos seguindo dia a dia o percurso destas plântulas. 

Sabonete de Cardo...a próxima criação...!





No âmbito do projeto Simbiose iremos desenvolver o projeto relativo ao sabonete de cardo, em colaboração com os alunos da Viriato e a Universidade Católica, Departamento de Ciências da Saúde. Haverá todo um projeto que é necessário desenvolver, até pelas particularidades da ação das cardosinas em relação oa colagéneeo e a questão da criação da imagem e da marca. Este projeto será proposto à Só Sabão para um projeto conjunto, numa vertente comercial, solidária e científica. Numa rápida pesquisa na internet muitas marcas de sabão usam a designação Thistle, mas nenhuma usa o cardo como nós julgamos que poderá ser usado. Eu ofereço-me para ser cobaia de experimentação. A questão estética do sabonete julgo que já ganhamos, a estética da embalagem contamos com o Paulo Medeiros e a Científica contamos com a Prof. Marlene Barros. Agora é só avançar. Prof. Margarida pode marcar a reunião.





SÓ SABÃO - SABOARIA DE VISEU


PORTUGUESE TRADITIONAL SOAP

Lg de São Teotónio 30 3500-194 Viseu

+351 232458450 . +351 964200350

www.sosabao.pt . info@sosabao.pt

Quem tem fome...cardos come...!






As minhas queridas colegas Daniela e Carla ofereceram-me uma receita de cardos, da própria "Bimbi" provavelmente à espera que lhes convide para irem comer lá a casa...bem podem esperar que...não haverá falta de oportunidade. Assim que colher os cardos irei fazer a tão propalada sopa...e depois elas comentarão. Entretanto, por via do colega António Jordão, estamos a estudar os compostos voláteis detetados com interesse em termos de promoção da saúde, entre os quais o β – cyclocitral e o β – ionone. Assim um dia destes iremos dizer "Quem se preocupa com a saúde...cardos come"! 

Ao Jeito de Altar Pagão...mas com "Santas"...




O artista plástico Mariano, criou uma nova instalação com os "restos cardais" um pouco a jeito de "Altar pagão". Eu tenho "pena" é do meu colega António Pinto que tem que aturar estes e estas malucas...


terça-feira, 5 de novembro de 2013

Cogumelos à solta na....Quinta da Maúnça



http://www.quintadamaunca.mun-guarda.pt/noticia.asp?idEdicao=51&id=1892&idSeccao=479&Action=noticia

Dia 9 de novembro, pelas 9 30h, a Câmara Municipal da Guarda irá realizar mais um encontro micológico, o Workshop “Cogumelos, um mundo a descobrir” no Espaço Educativo e Florestal – Quinta da Maúnça.


Valorizar os usos múltiplos da floresta impõe-se cada vez mais como forma sustentável de dinamizar os produtos da terra e a economia local. Este riquíssimo recurso, apenas disponível na proporção direta do respeito com que tratamos a floresta e os seus imensos e múltiplos usos é um mundo de conhecimento que o convidamos a descobrir: regras de colheita, transporte, identificação, legislação, etc. Descobrir a importância dos cogumelos silvestres na vitalidade e manutenção do ecossistema florestal e aprender a distinguir os cogumelos comestíveis e venenosos são os principais objectivos deste workshop “Cogumelos, um mundo a descobrir” que a Câmara Municipal da Guarda realiza pelo 7.º ano consecutivo e que conta, uma vez mais, com a parceria da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro na pessoa do Eng.º Gravito Henriques.

Programa:

9 30h- Receção dos participantes

9 45h- Saída de campo para colheita de espécies

11 h- Prova de cogumelos silvestres

11 30h- Identificação e exposição das espécies recolhidas e esclarecimentos e informação variada

12 h - Diferenças entre o frade(macrolepiota procera) e o falso frade (macrolepiota venenata). Precauções e sinais de identificação obrigatória

13h- Encerramento dos trabalhos e entrega dos certificados de participação

Obs: Os participantes devem usar calçado e vestuário confortável e fazer-se acompanhar de um canivete ou faca, um cesto de verga e alguns metros de papel de alumínio.

As inscrições são gratuitas mediante inscrição obrigatória e o número de participantes é limitado à capacidade da sala (25 participantes)

Prova de cogumelos e documentação incluídas na inscrição

Quinta da Maunça – Rasa - Guarda

quintadamaunca@mun-guarda.pt

telefone - 271237816







domingo, 3 de novembro de 2013

Et Voilá... MostaJAM...Making of...a Dream

http://www.florestar.net/mostajeiro-de-folhas-largas/mostajeiro-de-folhas-largas.html
Concretizei um sonho...fazer com as "miúdas" cá de casa o doce de mostajeiro, mais conhecido por Mostajada, cuja inspiração veio da Ludovina Margarido da Quinta da Maúnça, do Aquilino Ribeiro, da sogra do Carlos Miranda e já agora da Câmara Municipal de Viseu...














Este é o subproduto que vou solicitar aos meus colegas de Nutrição e Qualidade Alimentar que avaliem os antioxidantes porque...cheira-me!

As sementes do cardo eluem pigmentos que valem a pena avaliar...

Os alunos e professores da Viriato, no âmbito do projeto Simbiose, chamaram à atenção de que as sementes dos diferentes ecótipos libertaram diferentes tipos de pigmentos que eluíram para a água, onque permitiu a obtenção de diferentes tonalidades e níveis de turbidez. Face a esta nova constatação fizemos ensaios de espectrofotometria, no laboratório de Bioquímica da Universidade Católica para confirmar as diferentes absorvâncias e transmitâncias. Aqui ficam algumas imagens que denotam essa diversidade e variação na intensidade da pigmentação, sendo que por volta dos 380 nm é onde se regista maiores diferenças nos valores de absorvância. A azul temos a  linha da transmitância de um dos ecótipos.